Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

francisfotopoesiaeimagem

francisfotopoesiaeimagem

VELHO, AOS TEUS OLHOS

Velho, aos teus olhos.jpeg

VELHO, AOS TEUS OLHOS

Afirmam os jovens, que sou velho!...
Cabelo grisalho, umas tantas rugas,
Aceitando, mas nunca metido em drogas
E sempre pelo melhor conselho!...
Serei velho, aos olhos desses jovens,
Feito idoso, pelo decorrer do espaço,
Porém, ensinando nalgum cansaço
E no deslizamento de certas nuvens!...
Sou velho, embora velhos sejam trapos,
Mas não velho como demais mais novos,
Sinto o vigor, o caminho que percorro,
Não andando como os jovens, de zorro!...
Assim, me vou fazendo ao caminho,
Tanto se me importa acompanhado, ou sozinho,
Na minha liberdade de pensamento e motas,
Um tanto diferente daquilo que notas...
E se é que notas, no teu escárnio apontado,
O qual, para ti, não sou só velho, mas ultrapassado,
Na maior das corridas e na qual te alcancei,
Ultrapassei e sem agradeceres o que te dei!...
Sou velho, mas não tanto como o que és,
Embora me olhes de viés,
Na inveja daquilo que sou e cujo nunca serás,
Tal vendido ser, neste mundo em que andarás!...
Acorda, tu que és jovem, mas velho te tornarás,
Nessa tua soberba hipocrisia e ignorância,
Ao que, um dia, em horizontes por onde irás,
Tudo terás esquecido, até mesmo a arrogância!...
Assim sendo, não me consideres pelo que vês,
Tampouco pelo que nisso crês,
Pois, a vida e o que vemos, é uma ilusão,
Pelo caminho e luz, num final de colisão!...

Manuel Nunes Francisco ©®
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

CIRCO E PÃO

Futebol.jpg

CIRCO E PÃO

Dêem-lhes circo e pão,
Que a plebe fica contente,
Que se lixe a situação,
Ao que vier pela frente!...

A quem deverem que esperem
E quem lhes deva que paguem,
Haja orgias de futebol,
Com chuva a tapar o Sol...

Assim têm o que merecem
E pouco mais merecendo,
Na bola que os adormecem!...

Amanhã, batem-lhes à porta,
A cobrar o que estão devendo,
Porém, hoje, pouco importa!...

Manuel Nunes Francisco ©®
      - Imagem da net -
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

PENSO POR MIM...

Penso, logo incomodo....jpg

PENSO POR MIM...

Não penso pelo que outros pensam,
Podendo estar contaminado,
Quanto e demais que confessam
E acreditam, de charco envenenado!...

Penso por mim e assim me basta,
Sem seguir pegadas de outro alguém,
Qual vistosa gente de mente gasta...
Pensam-se algo e sequer são ninguém!

Até posso cometer injúrias,
Pensando tudo o que penso,
Por tal caminho de luxúrias...

Porém, serei eu, livre no pensamento,
Na suprema liberdade deste meu senso,
Escutando todo e qualquer argumento!...

Manuel Nunes Francisco ©®
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

GUERREIROS DA RAZÃO

Guerreiros....jpg

GUERREIROS DA RAZÃO

Cavalguem os guerreiros da razão,
Soltando a prisioneira humanidade,
Em cárceres, por mundo de ilusão,
Amordaçada no negro de ansiedade...

Vazem-lhes a mente de promessas,
Enchendo-as de uma nova verdade,
Servida nas mais límpidas travessas,
Em sabores de há muito já saudade!...

Cubram-se as mesas nessa raridade
Sentados lado a lado, ricos e pobres
E palácios onde todos sejam nobres...

Persigam uma restante barbaridade,
Quantos os vampiros de eleita-roda
E vistam-lhes roupas de nova moda!...

Manuel Nunes Francisco ©®
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

ARENAS DO QATAR...

Qatar - Mundial 2022....jpg

ARENAS DO QATAR...

"Que os jogos comecem"...
Para que o vulgo adormeça,
Não importa o que aconteça,
A questões que acontecem!...

Sem que haja solução à vista,
Mas isso tampouco interessa
E sequer alguém se confessa...
Importando o futebol da lista!...

Não interessa qualquer vida,
Tão-pouco que se passe fome
E sequer a casa numa penhora...

Que venham os jogos da hora,
Acordando quem tanto dorme,
Pela vacina tão bem vendida!...

Manuel Nunes Francisco ©®
      - Imagem da net -
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

QATAR DE FUTEBOL

Qatar - Mundial 2022.jpg

QATAR DE FUTEBOL

Estou perplexo, com tais humanistas do Qatar,
Tantos e perdidos no que tiveram para pensar!...
Cidadãos, políticos, eruditos e não, jogadores,
Agora semeando doutrinas aos quatro ventos,
Vendendo sabedorias calculistas e já passadas,
Por tempo adormecido e nos maiores amores!...
Porém, sabe-se lá porquê, aparecem rebentos,
Todos a vozear direitos por águas derramadas!...
Não houvesse quantos se venderam e calaram,
Pelo tempo certo, já este presente certo falava
E não teríamos tantos rebanhos de humanistas,
Aqueles, cujos neste entretanto demais falaram,
Tendo sabido eles o quanto lá detrás marchava,
Num secreto silêncio de comprados jornalistas...
Milhões soaram mais alto e houve quem recebeu
E só agora se lembrando de quem por tal sofreu!...
Mentira, das mentiras, pois todos eles já sabiam
E cagando nas barbas daqueles que não comiam,
Mas sabiam, porém, caminhando descontraídos,
Os recentes humanistas e, quem sabe, vendidos...
Agora, que siga o importante de tudo, o futebol!...
Amanhã, isso não importa e é filme de novo rol!!...

Manuel Nunes Francisco ©®
      - Imagem da net -
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

QUAL A RAZÃO...

Qual deserto - II.jpg

QUAL A RAZÃO...

Qual a razão, procurar areia do deserto,
Quando tenho tanta, por aqui tão perto?...
Quero entender o sentido da caminhada,
Por tal areal, em tanta procura mal dada!...

Perco a noção, como se um grão entre tantos,
Com os pés escaldados e escorrendo prantos!...
Questiono se tudo isto me valerá tanto a pena,
Num olhar ao pretérito e tal futuro que acena...

E cujo me saúda, correndo célere, a meu lado,
Sempre e sempre mais rápido, no seu sorriso,
Jogando às escondidas, a jogo encomendado!...

Ah, deixem-me dizer o quanto perdi a noção,
De quanta areia já carreguei e pelo impreciso,
Continuando a busca por desertos da precisão!...

Manuel Nunes Francisco ©®
      - Imagem da net -
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

NÃO SEI...

Não sei....jpg

NÃO SEI...

Não sei...
A razão, pela qual este mar me chama,
Neste promontório, em que dei,
As ondas e murmúrio que me reclama!...

Não sei, qual a razão deste olhar que parte,
Em quanta distância que anseio,
Tudo procurando, deste farol e luz de arte,
No batido ondular, sem nada pelo meio!...

Porém, tudo escuto...
Aquilo que sei e quanto aprendo,
Por pensamento que permuto...

E em cujo nada me arrependo!...
Nada sei, naquilo que sei e no que vejo,
Sabendo eu o que se esconde no meu desejo!...

Manuel Nunes Francisco ©®
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub