Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

francisfotopoesiaeimagem

francisfotopoesiaeimagem

INEXPLICÁVEL PRAZER...

Passar do vento....jpg

INEXPLICÁVEL PRAZER...

Haja quem não tenha momentos negativos,
Aqueles dias, cujos nos são imperativos!...
Porém, sempre que me sinto em baixo,
Monto um dos meus cavalos de ferro
E saio para a estrada, não como louco,
Mas nas calmas que o mundo promete,
Apanhando, de frente, o afável vento,
Passando-me pelo corpo, como ópio,
Criando à volta um outro cenário,
Num estonteante caleidoscópio,
Rasgando, ou não, o escuro do alcatrão,
Não o cinzento da poeira, mais ao lado,
De ambos os lados da estrada,
Sentindo o bater, algo frustrante, de um pobre insecto,
Ficando numa lástima mortal, da sua já parca vida,
Esborrachando-se de encontro ao meu corcel,
Deste meu carrossel e em que me distraio,
Como nos meus velhos tempos de catraio,
Numa tal tela, pintura de fresco pincel,
Nesta minha tão desafiante corrida,
Com as árvores a afastarem-se em contrário,
Desafiando qualquer hora malfadada,
Esquecendo qual pensamento do meu fado,
De meu corpo, o mais possível de erecto,
Sentado num tanto negro selim,
Mas tão colorido, pelo menos parece assim
E avanço, em sonhos, nunca por frete,
Mas naquele sabor, cujo me sabe a pouco,
Na busca do mais profético serro,
Na mais perfeita paisagem em que me encaixo,
Separando-me do prematuro pensamento,
Criando sorrisos neste meu pedinte coração,
Num aconchego de deslumbre e felicidade,
Por esta minha já um tanto avançada idade...
Observo os vales, pelo alto das serranias,
Absorvo a calma das sombras das planuras,
No relaxante das suas soberbas melancolias,
Deixando-me levar no olhar a aves nas alturas,
Paro junto às barragens e na visão de um rio,
Dos lagos, charcas paradas em meses de Estio,
Recosto-me num banco de um qualquer jardim
E penso, enquanto vejo quem não me vê a mim...
Depois, fecho o círculo, pelo ponto de partida
E, aí, calmo, reflicto neste inexplicável prazer,
Recordando as fragrâncias por onde passei,
Curvas, rectas e lombas, assim como o horizonte,
Desta forma de vida, com a natureza repartida,
Pura e tamanha liberdade, qual frescura de fonte
E corrente, saciando a sede, por tempos de lazer,
Sem haver explicação, tal não posso, tampouco sei!...

Manuel Nunes Francisco ©®
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub