Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

francisfotopoesiaeimagem

francisfotopoesiaeimagem

CONTOS DE FANTASIA

José Saramago #4.jpg

CONTOS DE FANTASIA

 

Encontro-me perdido por esta floresta,
Nestes pântanos de areias movediças,
Ovelha negra no meio de um rebanho,
Escolhido pela mais devoradora besta,
Rodeado de falsidades, tantas crenças
E como criança afogada no seu banho.

 

Leitor de contos negros e devastação,
Escritas diárias de azul sobre as letras,
Ocultando as verdades, na exploração
E deixando imprimir o que são tretas,
Nos negócios de parceiros e mentiras
E numa vontade de os fazer em tiras.

 

Jornalistas de convento e de calúnia,
Enfartando e bebendo por tal conta,
Construindo lindos castelos de areia,
Usando da ignorância, pasmaceiras,
De quantos os apoiam pelas dunas,
Pois as ondas não são a sua monta.

 

Nesta fértil imperícia, vemos razão
Em todo e qualquer conto poluído,
Truques a que não se arrependem,
Diárias montras, ofertas de ilusão,
A quanto e mais honesto carecido
E nos interesses a que se vendem.

 

São contos da carochinha, sonhos,
Que nos espalham porta adentro,
Em semelhante praga de piolhos,
Farsas, jogos e em que não entro
E não porque seja o mais esperto,
Mas que há muito ando desperto.

 

Jornalistas, jornaleiros, tanto faz,
São já poucos existentes e capaz,
Mas por de mais os maltrapilhos
E que nos impingem trocadilhos,
Pois, que não tendo outro saber,
É bosta que nos tentam vender...

 

Amestrados parceiros de víboras
E charlatões, vestindo de santos,
Usados de frente, perfeita pega...
Ao dinheiro, que ninguém nega,
Às mais diversas e reles intrigas...
Porcos, grunhindo, como tantos.

 

Esculpindo as guerras de loucos,
Com gente a morrer aos poucos
E nós, olhando, feitos de moucos,
Tudo engolindo, calmos, calados
E olhando para os diversos lados,
Evitando a luta, feitos de parvos.

 

À mesa de cabeceira paira a luz,
Na penumbra do jornal e já lido,
Papel manchado por manchetes
Que nada na verdade nos induz,
Que deveria ter sido consumido
Em chama de lenha e briquetes.

 

Pobre cultura e em tais médias,
Em que tudo é validado e usual
E pouco mais resta de tão sério,
Em promoções do fácil e banal,
Semelhante droga nas artérias,
Em orgias de festa sem critério...

 

E que as prensas têm que rolar,
Seja que notícia e de onde vier,
Tal que o importante é o valor...
Dos cifrões e seu doentio sabor,
Omitindo o que não for pra ver
E aniquilando quem ouse lutar.

 

( Manuel Nunes Francisco ©® )
           ( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual. 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub