Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

francisfotopoesiaeimagem

francisfotopoesiaeimagem

HORAS DO TEMPO...

Esse Tempo III.jpg

HORAS DO TEMPO...

Chegaram... Três, seis, cinco
E numa meia dúzia de horas,
Guarnecidas por certo zinco
E tempo que já não decoras!...
Os ponteiros acertam a dança,
Mesmo que na falta de corda,
Dando horas, pela lembrança,
Calcando quem mais discorda...
Tic-tac, tic-tac... e ritmo certo,
O qual não se consegue parar
E por mais desacertos na vida...
Nos acertos do tanto esperto,
Por mais que se anda a gabar,
Da hora, mas não conseguida!...

Manuel Nunes Francisco ©®
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

ESTA VIAGEM...

Esta viagem....jpg

ESTA VIAGEM...

Sigo, nesta minha viagem,
Ao longo da marginal
E um quanto à margem,
Por um cinzento infernal...
Em pensamentos de ponto-morto,
Quantas falhas da embraiagem
E num equilíbrio um quanto torto,
Por certo caminho selvagem...
Por estradas um tanto negras,
Outras poeirentas que baste,
Por sinais e duvidosas regras,
Da vida e bandeira de sacudida haste!...
Acelero e abrando,
Num pensamento constante,
Naquele limite a que vou chegando
E em estações que nada me espante...
Abrando, precisando de abastecer,
Por depósito um quanto vazio,
Em quilómetros de vida, a não esquecer
E outros tantos a que me esvazio...
Paro, à beira de chegada estação,
Naquela em que abasteço,
Sentindo a terrível sensação,
Desse algo e cujo não mereço!...
Pago e entro pela estrada,
Aquela de procurados caminhos
E talvez não me levando a nada,
Aquela de quantos, como eu e sozinhos...
Acelero, esquecendo-me do vermelho,
Tampouco de qualquer amarelo,
Num verde e meu peculiar conselho,
Nalgum raciocínio tornado gelo...
Aquele em que já pouco interessa,
Quase numa viagem de um final
E em que o juízo não se confessa,
Em aceleração um tanto banal!...
Resta-me a música que vou ouvindo,
Observando tudo à minha volta,
Perspicaz, no quanto me vai surgindo
E pelo trânsito que me faz escolta,
Debaixo de chuva e trovoadas,
Intempéries e quanto lamaçal oral,
Em quantas acelerações descuidadas
E por entre trepidações no temporal...
Porém e assim, lá vou continuando,
Em certas e gélidas gotas pelo rosto,
Não sei se um tanto as merecendo,
Até ao parque em que me encosto...
E sigo, enquanto tal for possível,
Sem que saiba onde terminar,
Pelo que, o mais concebível,
Será saber quando e onde estacionar!...

Manuel Nunes Francisco ©®
      - Imagem da net -
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

ESTA NOITE...

 

Esta noite....jpg

ESTA NOITE...

Por favor, deixa-me ir,
Ao teu encontro partir,
Procurar a paz no teu espaço,
Aconchegar-me num abraço...
Deitar-me sobre a tua pele,
Mesmo que tanto a noite gele,
Receber desse corpo o teu calor
E criar odes de amor...
Esta noite, quero encontrar-te,
Partir e, qual doce, saborear-te,
Acompanhado de quentes fluidos...
Sentir os minutos esquecidos,
No tempo das horas passadas
E por tais loucuras encontradas!...

Manuel Nunes Francisco ©®
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

QUE INTERESSA...

Que interessa....jpg

QUE INTERESSA...

Que interessa sonhar,
Quando os sonhos são comprados?...
Que interessa caminhar,
Por caminhos mais que usados?...
Que interessa tanto falar,
Quando ninguém ousa escutar...
Quando o mundo se nega a rolar,
Já num mínimo para desfrutar?...
Que interessa, sim, que interessa,
Se já ninguém quer saber!?...
Que diferença, caso ninguém mereça?...
Que distinção, quando ninguém se confessa,
Se não há quem me venha beber,
Por mais que da melhor água eu ofereça?...

Manuel Nunes Francisco ©®
      - Imagem Bing -
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

NATAL QUE REVEJO...

Estrela de Natal.jpg

NATAL QUE REVEJO...

Sigo a Estrela deste meu Natal,
Pela anunciada luz do pantanal,
Procurando um tal silêncio, paz,
Num Universo de brilho incapaz...
Olho o Céu, nas cinzas das trevas
E questiono por onde me levas,
Tu, menino, a anunciada salvação,
Numa purga a males de bajulação...
Percorro esse longo firmamento,
Pelo qual deslizas, em aceleração
E afogo-me por mares da emoção...
Em ondulações de vasto sofrimento,
De quantos iluminas, em promessas,
Nesta quadra e perpétuas conversas!...

Manuel Nunes Francisco ©®
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

SER-SE OBEDIENTE...

Ser-se obediente....jpg


SER-SE OBEDIENTE...

É tão lubrificante ser-se obediente!...
Lamber a mão governamental, do Presidente,
Qual hierarquia e sem questionar a razão,
Seja quem for e mesmo que na confusão!...
Idolatrar o general, a fasquia a almirante,
Cujos, em encenações, iludem certa gente,
Pornográficas lábias, em sabidos argumentos,
Naquele filme de ignorantes e jumentos!...
A ordem da democracia está no obedecer,
Sem sequer ripostar, tampouco argumentar,
Havendo que não pensar, mas vénias prestar!...
Nesse reles guião e sem mesmo o perceber,
É tão lascivo acarneirar, tal pejo carregar
E um quanto prazer de liberdade renegar!...

Manuel Nunes Francisco ©®
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

MUNDO EM DESATINO

Cavaleiros do Apocalipse.jfif


MUNDO EM DESATINO

Sangram os raios solares,
Pendem as lágrimas da Lua,
Sufocam todos os mares,
Desta Terra, quase nua!...
Fendem-se as rochas,
Abre-se a terra,
As temperaturas tornam-se tochas
E serve-se à mesa uma nova guerra!...
Aconchegam-se os animais,
No medo às trevas dos humanos,
Desorientam-se os pontos cardeais!...
A fome reina a obediência,
Os pensamentos são profanos
E as fossas atulham-se de sapiência!...

Manuel Nunes Francisco ©®
      - Imagem da net -
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

QUANTAS E DEMAIS VOLTAS...

Uma carta.jpg

QUANTAS E DEMAIS VOLTAS...

Foram voltas e mais voltas,
Além daquelas que dou,
Ficando tantas pontas soltas,
Em cujo a vida me enganou...

Voltas, em todos e demais nós,
Com derrapagens pelo percurso,
Por trajectos um quanto sós
E em quantos desvios de curso...

Tardiamente pra voltar atrás,
Pois que o tempo não perdoa,
Tudo o quanto nos mói a paz!...

E, por mais que eu seja audaz,
Ou que a consciência me roa,
Já só quero o que não me dás!...

Manuel Nunes Francisco ©®
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

DIGO... NÃO!

Manuel Nunes Francisco ©®II.jpg


DIGO... NÃO!

Digo... não!
Não, a tudo o que não me agrada!...
Tenho, por verdade, a minha espada,
Nascente da minha razão!...
Sigo o leito deste meu rio,
Não me banho em águas de merda,
Sejam elas de Direita, ou de Esquerda,
Seguindo, em frente, este meu desafio!...
Nas margens, escolho as areias,
Cujas não me arranhem os olhos,
Limpas, sem quaisquer teias...
Fartei-me das picadas de aranhas,
Dos monstros, pelos meus sonhos,
Verdades, em quantas patranhas!...

Manuel Nunes Francisco ©®
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub