Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

francisfotopoesiaeimagem

francisfotopoesiaeimagem

ANDORINHA, QUE GOSTARIA DE SER...

Andorinha, que gostaria de ser.. III.jpg

 

ANDORINHA, QUE GOSTARIA DE SER...

Sou, simplesmente, como as andorinhas,
Parto, numa configurada rota, mero destino,
Prisioneiro de horizontes e loucuras minhas
E em busca do mais sonhado hino...
Deslizo ao sabor do mais soprado vento,
Frio, quente, ou mesmo que tempestuoso,
Na busca do desconhecido, fuga a qual lamento,
Ou ditadas regras, por qual documento sinuoso...
Bato as asas, expandidas e planando,
Livre, numa soberba viagem sem fim,
Bem no alto, orgulhoso e tudo olhando,
Enquanto outros observam e invejosos de mim...
Chilreio, faço piruetas e voos esquisitos,
Rápidos e demonstrações aguerridas,
Talvez que procurando ditos e mexericos
E pelo meio de tantas intrigas desmedidas...
Que fazer, quando tudo parece ser meu,
Sabendo quantos recantos tem o mundo,
Desfrutando tudo o que a Mãe Natureza me deu
E brincando, num voo raso, ou profundo?!...
Que culpa tenho eu, se outros não querem viver,
Mesmo que saibam ter uma só vida,
Esperando pela morte, à beira de enlouquecer
E sem visão, mesmo pelo pôr-do-sol da partida?!...
Sou, orgulhosamente, uma qualquer andorinha,
Invejada, talvez que demais sozinha,
Num desafio da vida e de tanto minha
E sem me preocupar ao que o futuro adivinha...
Portanto, vou sobrevoando os horizontes,
Lutando contra todas as intempéries,
Descendo aos vales e subindo sobre os montes,
Rodando o meu filme, visionando as melhores séries...
E olhando o Sol, deslizando ao longo dos céus,
Tentando alcançar as nuvens, sejam de que cor,
Sem preocupações de juízos, fazendo parte dos réus
E alcançando a vida, no seu máximo esplendor!...

Manuel Nunes Francisco ©®
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

BOCAGE, O REAL...

A minha diferença....jpg

BOCAGE, O REAL...

Ai, Bocage, tal ilustre poeta
E fazendo por cá tanta falta,
Sem qual conversa da treta,
Dando na cornadura à malta!...

Pela quanta escrita sublime
E que não tendem entender,
Mas havendo quem a estime
E que os demais se vão foder!...

Bocage, crítico e tão satírico,
Tanto odiado, como amado,
Por tamanho caminho lírico...

E na mais ternurenta poesia,
Outras a cutelo e depravado,
Acutilante, surdo à hipocrisia!...

Manuel Nunes Francisco ©®
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

ÉS UM SANTO DE FALSIDADE!...

Falsidade....jpg


ÉS UM SANTO DE FALSIDADE!...

Dizes-me que és um santo,
Pois te dás bem com toda a gente!...
Errado, ao que não passas de um falso,
Conspirando contra todos,
Mas lambendo botas de circunstância!...
Procuras, somente, os teus interesses,
Nessa tamanha ingratidão,
Enganando os mais inocentes
E sem a menor compaixão,
Armado de amigo e sem discussão,
Fazendo crer o que não és,
Limpando aos outros os teus pés,
Numa venda de ilusão,
A quantos de tão dementes,
A quem vendes coração a rodos,
Quase os lançando em pranto,
Nessa tua astúcia, que tanto mente,
Explorando a ignorância,
Por crenças, – que não te confesses! –,
Levando quantos ao cadafalso!...
Dás-te com todos e quanto podes,
Vendo aqueles que mais fodes!...
Reconheço e aceito que és esperto,
Mas deixa-te de baladas
E de tantos contos de fadas,
Pois nunca vi relâmpagos sem trovoadas,
Nem degraus sem haver escadas!...
À tua morte, que te pese toda a areia do deserto!...

Manuel Nunes Francisco ©®
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

PATRIOTA E MACHO...

Patriota e macho... II.jpg


PATRIOTA E MACHO...

Segue, pesaroso, esse teu caminho,
Obediente, cariz baixo, mas feito macho,
Subserviente e mansinho,
Servindo, aos espertos, de capacho!...
Segue, nessa tua sonolência,
Pensando e gritando, que estás acordado,
Transbordando de demência
E candidato ao prémio de amado...
Segue e não te desvies das pedras,
Pega nelas e leva-as contigo,
Entrega-as, de graça, aos adorados merdas,
Porcos, nojentos e demais desígnios, quais não digo!...
Olha-me, odeia-me, chama-me aquele nome,
Simplesmente porque a ti sou diferente,
Mas não te esqueças que és tu quem dorme,
Enquanto sigo, acordado e em frente!...
Segue, continua esse teu mandado destino,
Temendo a morte, mas esperando-a sentado,
Acreditando que és a salvação, merecendo o hino,
Enquanto não passas de pau-mandado!...
Metes-me escárnio, vómito e nojo,
Destruidor da tua e minha liberdade,
Pega nalguma arma, que tenhas num estojo
E mata-te, pois que não deixas saudade!...

Manuel Nunes Francisco ©®
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

INFELIZ PÁTRIA AMADA

Gente de merda.jpg

INFELIZ PÁTRIA AMADA

Ah, minha infeliz e pátria amada,
Por que caminhos andas a chorar,
Numa triste cruzada encontrada
E sem saberes aonde vais parar?!...

Correm águas de sal em teus rios,
Choradas lágrimas de uma nação,
De um povo, vazante de arrepios,
Cores turvas, em perdida emoção.

A quem culpas essas tuas dores,
Nas quais tropeças em teus dias
E te entregando a tais doutores?!...

Pouco mais, ficarás tanto pobre,
Acamada, em tamanhas agonias
E qual doença que mais te sobre!...

Manuel Nunes Francisco ©®
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

ENTREGUES AO DIABO

Entregues ao Diabo II.jpg


ENTREGUES AO DIABO

O Diabo veio e ronda à solta,
Ao de longe lhe sinto o cheiro,
Canta e dança, à nossa volta,
Quer seja noite, ou dia inteiro...

Trouxe uma guarnição com ele
E confiança nos seus discípulos,
Com armas pra nos tirar a pele
E a vacinação para os testículos...

Sem haver quem mostre garras,
Ou vontade por entre os dentes
E de contentes, como as cigarras...

Havendo ainda quem os acolhe
E mentiras por verdades crentes,
Pois dessa farsa os louros colhe!...

Manuel Nunes Francisco ©®
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

AÇAIME DA HUMANIDADE...

Açaime da humanidade... II.jpg

AÇAIME DA HUMANIDADE...

Sinto-me estranho pelas ruas,
Quando os cães me olham e ladram,
Vendo-me de açaime tão estranho!...
Talvez pensem que mordi o tal cão,
Aquele, cujo e de tanto falam,
Ou que lhes comi a ração
E sendo eu animal tamanho,
Seja debaixo de Sol, ou de luas!...
Ele pode andar a cagar, ou passear,
Enquanto eu devo ficar em casa,
Numa obediente subserviência
E falta a outros de inteligência,
De um escravo não passar
E tendo que encolher a asa...
Que o vírus, – o malvado! –, anda no ar,
Mas devo abrir as janelas para arejar,
Só não me podendo deslocar,
Nem o mesmo ar respirar!...
Quem me vê, aponta-me desconfiado,
Esquece-se que trabalha a meu lado,
Vai nos transportes para o trabalho,
Às compras, no supermercado,
De me ter encontrado nalgum fado,
Numa festa de privado e... que caralho!...
Assim, fico a pensar,
Se o pobre animal não terá razão,
Nesta merda e mundo em convulsão,
Numa tal doença da cabeça,
Poucos havendo que a mereça,
Pois não a têm para raciocinar...
Se a cortassem, ficavam curados
E deixando os demais aliviados!...

Manuel Nunes Francisco ©®
      - Imagem da net -
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

DIA MUNDIAL DA POESIA...

Poesia I.jpg

DIA MUNDIAL DA POESIA...

Perfeita, ou imperfeita, é poesia,
Nunca havendo somente um dia,
É sempre quando o poeta quiser,
Escrita por homem, tanto mulher...

É sonho, revolta, ou romantismo,
Quer cosmopolita, ou bairrismo,
Palavras endereçadas à amada,
Honra lhe seja feita e abençoada...

Cujo contorno será vida em prosa,
Por espinhos, ou uma florida rosa,
Em pétalas e aromas de encantar...

Poesia, é dar outro sentido à vida,
Saber doar, doce missão cumprida,
Recebendo críticas em verbo amar!...

Manuel Nunes Francisco ©®
      - Imagem da net -
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

Pág. 1/5

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub