Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

francisfotopoesiaeimagem

francisfotopoesiaeimagem

ANDARES DA VIDA

Escaladas da vida.jpg

ANDARES DA VIDA

Trezentos e sessenta e cinco andares,
Persistidos de uns seis patamares,
Horas de escaladas e cansaço,
Sozinhas, ou por certo abraço…

De reflexões, por tal caminhada,
Certa, ou sequer dando em nada,
Esforços e por suores da vida
E num quanto de irreflectida…

Em que a esperança é suprema
E seguir em frente é o lema,
Na bússola de outras cruzadas…

Rios de correntes abençoadas,
Límpidas águas de soluções,
Em mergulhos de emoções!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

DEMOCRATAS DA TRETA...

Democratas da treta....jpeg

DEMOCRATAS DA TRETA...

Ridícula, tal democracia que temos,
Dita de direito e audácia de pensar,
Pois, naquilo que demais lhe vemos,
É que outro juízo não se ouse passar!...

É mãe dos intitulados democratas,
Defensores de uns tantos direitos,
Desde que outros sirvam de gatas,
Para impingirem os seus conceitos!...

É-se democrata aceitando o já dito
E sendo que nosso dito já não conta,
Mas o discurso de um certo erudito...

E que nunca passou de um palhaço,
Rindo-se de alguém a quem monta,
Tal gente e da qual nem parte faço!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

QUINTA DA REGALEIRA...

Quinta da Regaleira.jpg

QUINTA DE REGALEIRA...

Homem, que é homem, serpenteia,
Mas nunca se desvia...
Alguém morreu com a menção ao pescoço,
Por tal inscrição e não por esboço!...

António Carvalho Monteiro, tal figura,
Quinta da Regaleira, que ainda perdura,
Num passar de anos e recordações,
Mítica mansão de filosofia e emoções!...

Mentor de uma época por excelência,
Homem e cujo seu tempo enaltecia,
Por mais que formado nas razões...

Por conseguinte, vero filantropo,
Senhor de vasta ciência e do tempo,
Omitido no espaço e nas menções!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

MOMENTO DOS MOMENTOS

Momentos II.jpg

MOMENTO DOS MOMENTOS

Não existe passado, presente, nem futuro,
Existe, simplesmente, o momento!...
Um pretérito, no qual aprendi,
Este presente, repleto de interrogações
E um desconhecido, por demais duro...
Um percurso de advento,
Pelo qual certa vez me prendi,
Feito de promessas e contracções!...

Quanto ao passado, nesse me perdi,
Caminhadas e trilhos de poeira,
Merenda no bolso e sacola às costas,
Ensebadas botas de tropeções...
Tombos, sem a que me rendi,
Questionando a mais vasta asneira,
Quantas das vezes sem respostas
E deslumbrando este momento de razões!...

Esse passado ficou muito lá para trás,
Alimentou-me a vida que sonhei,
Horas sem sono e de reflexões,
Suores frios, gravados nos lençóis...
Haja, no momento, algo que me dás,
Pinceladas de paz, por cujo desenhei,
Espadas que cortaram desilusões
E se afiaram em outros sóis...

Em cintilantes e soberbos raios de luz,
Forças que me acompanham noite e dia,
Me alimentam, como se divina iguaria,
Em manjares de deuses e palácios...
Farol, que na penumbra me conduz,
Indicando-me a chama que assim ardia,
Fora de portas e prisão que já não queria,
Por demais sonhos de futuro e meus rácios!...

Nesta amálgama de tempos me debruço,
Como, sofregamente, o que me servem,
Saboreio o quanto oferecem de possível,
Ou no mais que soberbos os condimentos,
Cozinhados, tanto num sorriso, ou soluço
E longe de conjugações que tal se elevem,
Por algum tempo e cujo me foi discutível...
O momento, esse é fervura dos momentos!

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

ENCONTROS DE PRAZO

Encontros de prazo.jpg

ENCONTROS DE PRAZO

Chamei-te e nem sequer olhaste,
Fazendo que não me reconheceste...
Seguiste, no teu caminho,
Muito de mansinho,
Levando-me atrás de ti,
Sem questionar porque por aí parti!...
Olhámo-nos, seguindo cada qual pra seu lado,
Na promessa oculta do oculto esperado,
Algo que ambos tão bem conhecemos
E pelo que um dia nos encontraremos...
Sorriste-me, na malícia do ainda não chegado,
Pois que o caminho estava trocado
E que à hora certa me encontrarias,
Faltando ainda anos, quanto mais dias!...
E lá seguimos, no nosso destino,
Ambos em desatino,
Eu nos encontros da vida
E tu na busca de quem já a tinha por perdida...
Alguém a quem te passas por amada,
E, para teu prazer, atendeu a chamada!...
Eu na minha, por enquanto, sorte
E tu fazendo jus do teu nome... solene morte!

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

SÍNDROME DA CAGANEIRA

Síndrome da caganeira.jpg

SÍNDROME DA CAGANEIRA

Tal síndrome da caganeira,
É a maleita de certo povo,
Passando uma vida inteira,
Sem que faça algo de novo.

É um síndrome de geração,
Passado de pais pra filhos,
Declarado numa entoação
E nuns quantos andarilhos...

Conseguem meros canudos,
Sem sequer saberem como,
Revelando-se uns pançudos...

Manifesta-se um tal inchaço,
Em quem nem leu um tomo,
Sintoma de shots de bagaço!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

OLHO ESTA SOBERBA IMENSIDÃO...

O Pôr-do-Sol_Margem Sul.jpg

OLHO ESTA SOBERBA IMENSIDÃO...

Encosto em qualquer berma
E bebo do silêncio envolvente,
Do chilrear dos pássaros,
Da aragem fresca, em carícias...
Saboreio o aroma da terra
E da imensidão do verde,
Das flores que ainda resistem.
Recolho um imagem,
A que seja recordada,
Num futuro em que nada exista,
No evidente e não por vidente...
As sobras serão os fumos de guerra,
As balas, os colapsos da bolsa,
Os corpos esfomeados e misérias,
Das promessas que nos mentem
E sonhos que nos sairão caros,
Utopias, não passando de miragem!...
Sigo esta minha estrada,
Pelos campos rasgada,
Ou em tanto sinuosa e falsa,
Mas de uma paz abençoada,
Por quanto a vista avista,
Porém numa reflexão tanto enferma...
E fervendo-me as artérias,
Mas desfrutando as ainda delícias...
Um colorido do céu, em final da tarde,
Num imenso de nuvens que restam
E encenado espectáculo que mostram!...
O mundo é ainda belo!...
Oiçam o seu derradeiro apelo!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( francisfotoProfimagens ©® )

Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

LUZ QUE SE ARRASTA

Luz que se arrasta I.png

LUZ QUE SE ARRASTA

Sou o rasto de luz que se arrasta,
Nalgum firmamento de estrelas,
O mais sereno ser de uma casta,
Luzes que ninguém quer vê-las...

O que sobra de estrela-cadente,
Foco errante perdido no espaço,
Em busca de sonhos e de gente,
Que alcancem aquilo que traço...

O brilho, que pelas noites se faz,
Buscando auroras, de tão audaz,
Mas se apaga na distância da luz...

Sou lírico, nos sonhos de outros,
O que fica, esperança de loucos,
Cauda restante, enquanto reluz!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

PUTAS SÉRIAS...

Palavras.jpg

PUTAS SÉRIAS...

Puta, não é aquela que ama
E por puta de quem a chama,
Mas aquela que parece séria,
Não passando duma galdéria,
Enrolada de dia, até às tantas,
Pelo meio de quantas mantas…
Essa sim, é a maior das putas,
De quantas, das mais astutas...
Olham, desejam o que vêem
E por desejo que lhes dêem!…
Separem as putas e amantes,
As vendidas e as escaldantes...
Por esta noite, nossa parceira,
Sê amante, puta a tal maneira!

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

PRESIDENCIAIS MEDIÁTICAS...

Eleitor burro.jpg

PRESIDENCIAIS MEDIÁTICAS...

É lúgubre, mas é verdade,
Que neste país democrático,
Andam todos, na realidade,
Rendidos ao tom mediático!...

Os partidos sendo o que são,
De políticos e charlatões
E ainda quem dê razão
A tal seita de aldrabões!...

É raro um independente,
Por candidato a presidente,
Havendo que votar nos mesmos...

E escolhidos pelos partidos,
No mesmo poleiro erguidos,
Defendendo os mesmos termos!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

 

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub