Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

francisfotopoesiaeimagem

francisfotopoesiaeimagem

AMANTE DO EXTENSO

Amante do extenso.jpg

AMANTE DO EXTENSO

Sou um homem do agreste,
Das montanhas e serranias,
Das neves junto ao celeste,
Terras geladas, noites frias.

Sonho por tais melancolias,
Pelo estender das planícies,
Esquecendo certas agonias
Noutros campos sem raízes.

Perco-me em tanto bulício,
Nas paisagens além do Tejo,
Nessas cores e meu delicio...

Na agreste paisagem e céu,
Vivo tal longitude que vejo
E soberba neblina num véu...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

BEIJAR ESTE CHÃO QUE PISO

Beijar este chão que piso.jpg

BEIJAR ESTE CHÃO QUE PISO

Quero beijar este chão que piso,
Lamber toda a vida que percorri,
Saber o sabor de tanto impreciso
E certeza que, por ora, não morri...

Quero olhar as estradas da vida,
Rebolar-me na poeira e alcatrão,
Numa loucura, tanto desmedida
E esquecer qual seja o encontrão...

Gritando, bem alto, a minha razão,
Lavar-me na água de tais lágrimas,
De tudo o que demais foi confusão!...

Quero confrontar toda essa verdade,
Nas lamas percorridas e feitas rimas,
De pretéritos e futuros de ansiedade...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

ARRASTA-SE A SOCIEDADE

Não agradarás a todos....jpg

ARRASTA-SE A SOCIEDADE

Arrasta-se a sociedade, pesadamente,
Pelas ruas do desconforto e amargura,
Botas pesadas e ao longo do caminho,
Por querelas e emoções de longa dura...
Trilhos escorregadios e nalgum repente,
Longe de sabores, ou qualquer carinho.
Pesarosamente, vão remoendo na vida,
Iludidos na esperança do não alcançável,
Sonhadores, audazes, em tal desmedida,
Por ruas, ruelas, na escuridão deplorável...
Anciãos, jovens e seja de qualquer etnia,
Pretos, brancos, cultos e menos letrados,
Pobres, ricos e sendo estes mais iludidos,
Pois que os miseráveis já não se perdem,
Pelos hábitos da história em que servem,
Sobreviventes, seja pela força, ou mania.
Rasgam-se sorrisos, num espaço da boca,
Lado a lado e na maior de tais falsidades,
Em que tudo o demais em nada nos toca,
Cantando, bailando, em nossas vaidades...
Somos nós, tais severos seres de orgulho
E ditosos no dito, em mentira camuflada,
Rastejantes, por falsa verdade encenada,
Pensando em nós, a recheado bandulho!...
Arrastam-se e arrastam demais com eles,
Arrasam, quem quer que seja à sua volta
E, por interesses, não deixam ponta solta,
Pois que todo o mundo terá de ser deles...
Somos nós, vós, eles e em tantos tempos,
Olvidando as conjugações verbais divinas,
Na escrita de poeta maldito e nos campos
E em cujos se estendem as gentes e sinas...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

SAUDADES DO QUE NÃO FIZ

Saudades do que não fiz.jpg

SAUDADES DO QUE NÃO FIZ

Fiz quantas coisas bem feito
E outras tais que nem tanto,
Há sonhos em que me deito,
Ficando a pensar em espanto...

Pena de não ter feito melhor,
Saudades do que ainda não fiz,
Seja a razão daquilo que for
E na crítica que alguém me diz...

Tanto mais hei-de conseguir,
Por mais tempo que demore
E sem a pedestal querer subir...

Quero olhar o mundo de cima,
Nunca por cuja luz de estore,
Mas pela minha auto-estima!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

ALMA CRÍTICA

Alma crítica.jpg

ALMA CRÍTICA

A minha alma é crítica de consciência,
Pensamento de um tanto insinuante,
A quantos juízos próprios em falência
E de uma persistente força relevante...

É navegar por águas desconhecidas,
Procurando leituras nas suas ondas,
Remando contra as marés oferecidas
E seguindo rumos de minhas mondas...

É desbravar matos e mentes inóspitas,
Naturezas e que tudo demais poluído,
Nos mais castelos e terras de térmitas...

Minha alma é entrar, em noites de luar,
Por campas de destino não conseguido,
Escavar fundo, a que algo possa mudar!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

CHURRASCADA...

Churrascada....jpg

CHURRASCADA...

Mato branco e esfolo preto,
Qual seja porco, ou galinha,
Gosto de frango no espeto,
Bem assado e na calminha!...

Haja quem mate para assar,
Meter no lume e dar a volta,
Proveitos de um bem caçar,
Todo e qual animal à solta!...

Picante que baste no bicho,
Não havendo que esquecer
E sempre pinga pra aquecer...

Copo cheio, ou escorropicho,
Seja branco, quer seja tinto,
Desde que seja o que sinto!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

AQUELA PARTIDA...

Aquela partida....jpg

AQUELA PARTIDA...

Quando partirmos, abandonamos tudo,
Levando somente a liberdade,
Perpetuando a glória de bem-amado
E em quantos deixarmos saudade...

Todo o dinheiro da ganância foi em vão,
Por quanto sabor de tamanha maldade,
Em troca de alguns palmos de chão
E por todas as arrogâncias e vaidade...

Os arrependimentos não pagarão lágrimas,
De quantos fizeste passar maus bocados
E que às tuas mãos foram desgraçados...

Assim, levarás unicamente lume aceso,
De quem à tua beira foi indefeso,
Das fogueiras que ateaste e tais chamas!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

NINFA E MUSA DOS OLHARES

Ninfa e musa dos olhares.jpg

NINFA E MUSA DOS OLHARES

Descalça e formosa,
Caminha ao longo da areia,
Sempre na sua pose glamorosa,
Soltos cabelos e que as mãos penteia,
Vestida com a mais perfeita pele,
Suave e doce, fragrância de açucenas,
Macia como mel, odor que tanto apele,
Pelas tardes cálidas, ou manhãs amenas...
Salta, na formosura, ri e dança,
Como se deusa, louca e libertina,
Nada havendo que não convença,
Neste chamamento e raiar da matina.
Olhos cor de encanto do Universo,
Sedutores e repletos de liderança,
Falando, naquele desejo confesso,
Intenso e irresistível perseverança ...
E o mote, nesse sussurro de ondina,
Braços abertos, como se beija-flor,
Abraçando os néctares, onda vespertina,
Sedenta de beijos e rendida ao amor!...
Rastos deambulantes e de mensagens,
Na distância do areal, enquanto serpenteia,
Confissões, por essa praia de imagens,
Em que tal corpo devaneia...
Corpo, pelas ondas enrolado,
Onde a terra e o mar são encontrados,
Nas dunas, em que se entrega ao pecado,
Sem pecados, de dois corpos e amados!
Mais que sinuosos são os desejos,
Na volúpia desenfreada dos momentos,
Perdidos, por movimentos e beijos,
Enquanto as ondas presenteiam em rebentos!...
Pipilam as gaivotas e constante dança, à volta,
Querendo-lhes oferendar o horizonte,
Pelo que outras serão honra de escolta
E a que nada se saiba, ou sequer se conte...
Formosa e descalça, pela margem,
Vai sedutora, convite de prazeres,
Rainha e vénus, buscando vassalagem,
Ela, que é Vénus, ninfa e musa dos olhares...
Sereia das areias, no mais extenso dos mares,
Obra celestial, quimera de muitos seres,
Palato de afrodisíacos paladares...
Estende-te no areal e deseja-me no que queres!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

QUE SEJAS CORNO INFINITO

Partidos II.jpg


QUE SEJAS CORNO INFINITO

Pois que sejas o mais devasso corno
E sem necessidade de uma relação,
Mas que a culpa te sirva de adorno,
Por quem te trai, se lhes dás razão!...

E mais corno serás, se outro tanto aceitares,
No teu calmo seguir, nessa subserviência,
Adorando quem te corno faz, sem protestares,
Sem estrebuchares, em tão nula resistência!...

Encornado e assim te sentes na maravilha,
Nessa puta de vida e feita tua filha,
Pois que alguém a pariu, sem saber o pai...

Que assim continues, por peculiar prazer,
Nesse enfeite, sem estímulo ao que fazer,
Mas não te queixes, se adoras quem te trai!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

DEI-ME E AQUI ME TÊM

Pequenos gestos.jpg

DEI-ME E AQUI ME TÊM

Dei-me, na razão mais ingénua,
Entreguei-me, por aventura,
De uma forma um tanto nua,
Ou mesmo demais madura...
Dei-me ao improviso,
No pretérito e perfeito,
Naquilo que era preciso,
No imperfeito do pretérito...
Entreguei-me sem preconceitos,
Como criança sem pecados,
Deixei-me ir nos conceitos
E sem ouvir quaisquer recados...
Dei-me e aqui me têm,
Não criança, mas adulto,
Recebendo os que a mim vêm,
Por causas e não por culto...
Sou eu e não pastor,
Sem pretensões de rebanho,
Piso o meu palco de actor
E de argumento tamanho...
Afastem-se os bem-parecidos,
Rasgados sorrisos que mentem,
Tais de mim não são merecidos,
Idealizando eu o que sentem...
Dei-me, a quem meu espectador,
Entreguei-me, não dando bilhetes,
Tragam-me paz, na minha dor,
Mas nunca sejam marionetes!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

Pág. 1/4

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub