Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

francisfotopoesiaeimagem

francisfotopoesiaeimagem

TALVEZ, HOJE... AMANHÃ, TALVEZ!

Talvez, hoje... amanhã, talvez!.jpg

TALVEZ, HOJE... AMANHÃ, TALVEZ!

Talvez, talvez sim, talvez não!...
Vivemos um mundo de talvez,
Em que ninguém tem certezas,
Tanto e tamanha é a confusão...
Somos estórias de "era uma vez",
Por compromissos de subtilezas...
Iluminados, sem luz, consciência,
Velas, mas todas de pavio curto,
Derretendo-se por melhor calor
E por caminhos do melhor furto,
Nadando em rios de ignorância,
Mas vendendo ideais em clamor!...
Talvez, talvez não, talvez que sim,
Sempre em ideias pouco definidas,
Quantas das vezes não cumpridas
E albardando o asno ao dito dono,
Sendo regras ditadas e tanto assim...
Que burros pasmam, num qual sono!
Talvez, só desta vez, pouco importa...
Talvez, amanhã, a sorte bata à porta!
Talvez, seja ritual da nova sociedade...
Talvez, a mentira seja nova verdade!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

MENTES PERVERSAS II

Bocage II.jpg

MENTES PERVERSAS II

Entra vivo e um tanto farto,
Escolhendo o melhor buraco,
Como se fosse um quarto,
Bem esguio e não em arco...
Pouco importa o estar escuro,
Entrando feliz e contente,
Redondinho e feito um duro,
Esfocinhando de repente...
Todos pensam e com razão,
Em algo demais proibido
E de pele bem mais macia...
A resposta que tal parecia,
Num resultado desinibido,
Não é essa, mas um furão!

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

NASCEMOS QUEM SOMOS

Nascemos quem somos.jpg

NASCEMOS QUEM SOMOS

Desde o segundo em que nascemos,
Podemos sempre cambiar de nome,
Mas nunca comutamos quem somos,
Mesmo quem por tal nunca se tome...

Nascemos pobres, numa riqueza tal
E férteis de ser, porquanto seremos,
Cada qual diferente, por quão igual,
Sem ouro levar, aquando morremos...

Sempre enrolados nalguns farrapos,
Esburacados, quer seja rica fazenda,
Limpando a boca a tais guardanapos...

Enquanto outros utilizam os braços
E não devendo quem se arrependa,
Para o que nasceu e dos seus laços!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

ESSE LINDO CU-DE-JUDAS

Esse lindo cu-de-judas.jpg

ESSE LINDO CU-DE-JUDAS

Como é lindo um cu-de-judas,
Na distância de outras merdas
E enquanto se vendem ajudas,
Consumidas por mentes lerdas...
Respira-se o sopro da vontade
E sem que nos tentem açaimar,
Sentindo-se força na liberdade,
Sem qual mordaça pra reclamar!...
E que só nos deixam a repensar,
Em algo e portanto já não somos,
Mas lentamente nos fazendo ser...
Animais amestrados, sem pensar,
Crentes naquilo que nunca fomos,
Quão subservientes, sem parecer!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

MINHAS BUSCAS...

Minhas buscas....png

MINHAS BUSCAS...

Procuro-me na imensidão do universo,
Busco em todas as direcções e tropeço,
Pois que tantos são os socalcos do trilho
E volto atrás, revolvendo tudo ao avesso,
Interrogando se há algo demais que peço,
Ou se nesta berma o desaventurado filho...
Procuro-me por vales, atoleiros, serranias,
Mares de tempestades, rios desinquietos,
Espaços azuis, repletos de nuvens negras,
Com promessas de arco-íris, durante dias
E se desfazem como erros de arquitectos,
Deixando ao abandono quantas as regras...
Procuro-me e não me encontro satisfeito,
Sem encontrar a entrada para outro lado,
Ao que as portas se fecham num repente,
Sem saber se é regra, ou tamanho defeito,
Se é uma guerra em que andei desarmado,
Ou prisioneiro pela mais robusta corrente...
Procuro-me, numa esperança de encontrar,
Olho-me no interior e cada dia menos vejo,
Não sabendo qual cegueira que me ofusca,
Sabendo que, um dia, a busca tem de parar,
Portanto que de há muito seja meu desejo,
Nesta minha procura e farto de tanta busca!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

TEMPOS DE GUERREIROS

Revolta da Maria da Fonte.jpeg

TEMPOS DE GUERREIROS

... Exaltavam-se os tambores,
Vaticinando revolta eminente,
Perseguindo-se os impostores,
Com o povo correndo fervente!...
Elevava-se o orgulho da nação,
Pela bandeira de gloriosa data
E em quanta tumultuosa noção,
Porquanto o grito era voz farta!...
Cheirava-se alvoroço pelas ruas
E pela mais remota das aldeias,
Fervilhando lutas demais cruas...
Foram-se tempos de guerreiros,
De um vermelho luso nas veias,
Sobrando manhãs de nevoeiros!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

RECATADO CANTO

Recanto.png

RECATADO CANTO

Neste tão recatado canto,
Vivo a alegria e o pranto...
Vive todo o meu espanto,
O diabo e figura de santo.

Vive-se até certo encanto,
Do momento e do recanto,
De um quando e o quanto,
Quantas vezes sob manto...

E o tempo passa tão perto,
Seja no sono, ou desperto
E pensando a peito aberto...

Qual esperto, ou jumento,
Em tanto quanto aguento,
Na espera de outro vento.

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

MEU PRETO E BRANCO, POR CINZENTO

Meu Preto e Branco, por Cinzento.jpg

MEU PRETO E BRANCO, POR CINZENTO

Sei da existência do preto e do branco,
Continuando, eu, por zona do cinzento,
Talvez que seja louco, ou tanto franco,
Pois que não só de cores me alimento...
Faço as minhas misturas pelos brancos
E andando às apalpadelas pelos pretos,
Em misturas perfeitas de celestes arcos
E espectros de cegueiras e dos espertos...
Encaminho-me pelos claros das ilusões
E tropeçando em quantas negras cores,
Em que as palavras são farsas e sermões...
Telas de linho, esquartejadas por raivas,
Aguarelas envenenadas, ditadas amores,
Águas de Verão e seguidas de saraivadas!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

SEM COMENTÁRIOS, POR FAVOR!...

Uso de máscaras.png

SEM COMENTÁRIOS, POR FAVOR!...
Vou ao restaurante, ou café, tendo que entrar com máscara, açaimado, pois e possivelmente fui o que mordi o cão, depois tirando a mesma e sento-me como um animal ao canto que me destinarem... Tudo bem, pois algum idiota do (des) Governo assim ditou, tanto que sou animal amestrado, – pensam eles! – !! Chego frente ao cabeleireiro, ou barbeiro que seja, perguntando se tenho que usar o açaime para entrar e no interior como será?... O que pretende, barba, ou corte?... Ri-me, no meu interior, pois que não sou tão estúpido como alguns me fazem crer!... Qual a diferença, fazendo-me de idiota?!... Para barba, no interior, não necessita de máscara, mas para corte é obrigatória... FODA-SE, que me estão a passar um atestado de estupidez!... Compreendo a posição dos pobres e que pagam contribuições, mas as BESTAS que lançaram tais leis, vão para o CARALHO, PUTA QUE OS PARIU, ENERGÚMENOS de primeira e gozando com a inteligência de quem a tem!!!!!! Uma coisa é certa, vou comprar uma máquina de cortar o pentelho e, nunca mais na vida, entrarei num barbeiro, cabeleireiro, aceitando toda a razão do medo que lhes é imposto! Sem comentários...

Pág. 1/4

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D