Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

francisfotopoesiaeimagem

francisfotopoesiaeimagem

GOSTAVA DE SER PEDRA

Gostava de ser pedra I.jpg

GOSTAVA DE SER PEDRA

Gostava de ser rocha numa escarpa,
Pedras da calçada de tanto passeio
E, entre as assentes, servir de farpa,
Que as levasse por algum devaneio...

Gostava que, por tal, me pisassem,
No mais subtil e doce dos prazeres,
Para que certo dia me recordassem
E me agradecessem estes quereres...

Gostava de ser granito, ou mármore,
Servindo de cama, nua e confortável,
Nas vidas e de quem vida deplorável...

Gostava de ser o repouso sob árvore,
Cinzelada arte, pelo melhor santeiro,
Lâmina de xisto e coberta de telheiro...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

QUESTIONO O TEMPO

Questiono o tempo.jpg

QUESTIONO O TEMPO

Eu já não sei o que é o tempo,
Sabendo que nunca o saberei,
Podendo ser o caminho limpo,
Por caminhos que nunca andei...
E talvez porque tal não tenha,
Ou que não o queira percorrer
E não corro para tirar a senha,
Para o tempo em que morrer...
Deleito-me a tempo presente
E que o passado me ofereceu,
Olhando um outro, lá à frente
E em tudo o que este me deu...
Questiono todo esse malvado,
Tempo, que corre mais que eu,
Que me vai deixando atrasado
E por de quanto me prometeu...
Indago tudo o que foi passado,
Pelo mais pequeno momento,
Por meu caminho e já cansado,
Por um outro que não aguento...
Esqueço-me da corda do relógio,
Na esperança que ele não ande,
Fazendo da sua caixa o refúgio,
Para onde quer que me mande...
Por ora, é tempo que não tenho
E que não conseguirei encontrar,
Num encontro de meu empenho
E eu sem mais nada pra lhe dar!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

FEIRA DO LIVRO DE LISBOA - 2020

Sessão de autógrafos na Feira do Livro de LisboaA Feira do Livro de Lisboa está agora totalmente confirmada e, como tal, venho confirmar a disponibilidade para participar numa sessão de autógrafos, no espaço local à Editora, com a duração de 50 minutos.
A sessão de autógrafos na Feira do Livro de Lisboa está marcada para o dia 11 de Setembro, às 15h.
Conto com todos e com os livros adquiridos, ou a adquirir no local, nesta ocasião muito especial para todas as partes envolventes.
Até lá, num grande abraço e muito obrigado!...

HASTES DE ADORNO

Hastes de adorno.jpg

HASTES DE ADORNO

Que se brame em exclamação,
Na quanta contenda e adornos,
Que pra se ser, um tal valentão,
Não basta possuir duros cornos!...

Sei que ninguém o quer ouvir
E ficando pelos piores azedos,
Sendo que é medonho possuir
Tais hastes de seguidos dedos...

Há quem as pendure à porta,
Quando entra eleve a cabeça,
Razão pelo qual não importa,
Importante é que não esqueça...

É lenha que não serve o forno,
Parte das vezes ao abandono,
Nem aquece noites de Inverno,
Por mais nobre que seja o dono...

Há que a oferendar, ou vender,
Enquanto esta não mais crescer
E com o qual dê para entender...
Que o restante é para esquecer!


( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

COBRAS RASTEJANTES

Cobras rastejantes I.jpg

COBRAS RASTEJANTES

Gosto das cobras, mesmo de víboras...
Essas apresentam-se na sua legitimidade!...
Odeio certos ondeantes, piores que serpentes,
Servidores do dono, obedientes e rastejantes
E que não se deixam perceber nas sombras...
Bichos, cheios de truques e falsidade!
Cuspo em quantos me tentam cuspir
E que silvam, para quem os quer ouvir,
Cospem para o alto, sem saber onde vai cair,
Essa bisga, que a eles há-de advir!...
Gosto de répteis, não aqueles que também rastejam,
Que lambem a calçada pela qual outros passeiam,
Mas esconjuram quantos a quem as mãos beijam
E se gabam de quem tanto conheceram!...
Esses hipócritas, gente reles, escarro da sociedade,
Frequentadores de seitas, vendedores de maldade,
Intrujas e doutorados, em canudos de falsidades,
Parasitas naquilo que anunciam ser verdades!...
Só que não mudam a pele e esfolando a dos demais,
Que o mundo não é dos inteligentes, ou intelectuais,
Mas dos espertos, colocados nos mais altos pelouros
E que nem trampa merecem, quanto mais louros!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

SEMPRE POR AQUI

Sempre por aqui.jpg

SEMPRE POR AQUI

Não terei sido o melhor e presente,
Avô, pai, amigo, ou o companheiro,
Mas serei sempre o qual paradeiro
E, aquando preciso, nunca ausente!...

Nunca simples pai dos meus filhos,
Na mera circunstância de uma vida,
Preferindo ser o amigo, na medida
E eles os eixos em meus casquilhos...

E sempre por aqui, enquanto morar
E até à extrema hora da despedida,
Na tão possível mestria pretendida!...

Os amigos conquistam-se, como tal,
Guardam-se, sendo tesouro natural...
Pais há-os, cujo nome ousam negar!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

DANÇAS À BEIRA-MAR

Danças à beira-mar.jpg

DANÇAS À BEIRA-MAR

Bailam tais ondas e as gaivotas,
Dança a espuma sobre as águas
E ficam rastos sobre tanta praia,
Tal macia areia, como cambraia.

Bailam corpos e que ondulados,
Buscando carícias e bronzeados,
Correndo, mirando os extremos...
Procurando prazeres que lemos.

Bailam as traineiras que partem
E que procuram qualquer razão,
Na diária faina e que traz o pão.

Dançam algas, que se estendem,
De tão cúmplices, que se deitam,
Como os corpos que se deleitam...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

DESASSOSSEGOS...

Desassossegos....jpg

DESASSOSSEGOS...

Gastei o ódio,
Consumindo o amor que restava,
Refugiei-me pelas areias do deserto
E que tentam alcançar o mar...
Esqueci-me da brisa aqui tão perto,
Daquilo que à minha volta andava
E de quem me diz amar...
Não sei qual será meu fim e meu pódio,
Portanto nada mais reclamo,
Neste mundo de confusão,
Não sabendo quem sou, nem quem chamo,
Por quantos caminhos da razão...
Gastei uma vida que me foi entregue,
Sem conhecimento dos gastos
E já não há nada que me sossegue,
Porquanto me traz de rastos...
Gastei tudo e nada mais me resta,
A não ser o disparate,
Deixando dúvidas nalguma festa,
Enquanto resta e me arraste...
Ódios, são desencontros passados
E amor, caminhos mal trilhados,
Desilusões, por entre tantas ilusões,
Lágrimas e bater de corações,
Pelo meio de quanta esperança,
Num futuro e de lembrança!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

HOMENAGEM AOS FORTES

Homenagens.png

HOMENAGEM AOS FORTES

Vivemos num mundo, numa sociedade de fracos!...
E indivíduos fortes, rastejando perante objectivos,
Entre quem procura a destruição de semelhantes,
Sem regras, nem meios, para alcançar nascentes!...
Atropelam-se, pelas ruas, fábricas e mais que seja,
Envenenam chefias, colegas, em desmedida inveja,
Levando tudo pela frente, num tamanho lamaçal
E afiando as garras!... Ai, de quem se forme igual!...
São as guerras individuais, válidas para sobreviver
E salve-se quem puder, que o importante é viver,
Neste Universo de abutres, agiotas e ilusionistas,
Pois que a vida são dois dias, caso assim o consigas!...
É, – que não tenhamos dúvidas! –, acto de coragem,
Quem ousa enfrentar os fracos, essa tal criadagem,
Para os quais tudo está certo, em desafinado motor,
Enquanto o destemor domina os que gritam... horror!...
Dando provas de valor, sejam homens, ou mulheres,
Nunca vendendo a sua alma, mastigando ansiedades
E por percursos que nem sempre dos melhores fins...
Decisões!... e cujos fracos fazem figura de arlequins!...
Os fortes partem, por própria decisão e tão corajosa,
Enquanto os fracos se vendem a qual figura viscosa
E a qual limpam o rabo, engraxam tudo à sua volta,
Estendendo-se pelo chão, como se estrume à solta...
E os outros, dando a cara e rebocando algo de novo,
Tais sofrem, na revolta, falam o silêncio de um povo
E suportando as feridas de uma miserável sociedade,
Partindo em nome de quem nunca deixaria saudade!...
É este o Universo dos fracos e na coragem dos fortes,
Em que uns são o barro e suportado por tais barrotes
E para depois serem queimados, ao serviço da olaria,
Sem um agradecer sequer... Sejam fortes, na agonia!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

Imobiliária Virtual e Pessoal - Compra, Venda e Aluguer de Imóveis

Imóvel - Moradia II.jpgImobiliária Virtual e Pessoal - Compra, Venda e Aluguer de Imóveis


Esta Página destina-se à Compra, Venda e Aluguer de Imóveis habitacionais, comerciais, ou industriais e a título particular, sendo a publicação do referido de inteira responsabilidade dos intervenientes, estando sujeitos a remoção imediata, sempre que não correspondam a meios legais e bem estar da sociedade. São permitidas, de igual modo, publicações do sector de construção, desde que aprovadas pelo administrador da Página e de total responsabilidade por parte dos participantes das publicações. https://www.facebook.com/Imobili%C3%A1ria-Virtual-e-Pessoal-Compra-Venda-e-Aluguer-de-Im%C3%B3veis-102968401472947/

Pág. 1/4

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D