Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

francisfotopoesiaeimagem

francisfotopoesiaeimagem

PRÍNCIPE DAS MARÉS

Príncipe das marés.png

PRÍNCIPE DAS MARÉS

Às vezes, – quantas vezes! –, me questiono!...
Indago se não serei um príncipe das marés,
Neste todo vai e vem, batendo nas rochas,
Oscilando, trazendo e levando espuma,
Restos de tudo o que sobre as ondas sobra,
Rebocando as algas dos fundos e desfeitas?...
Interrogo-me e sem ver a luz de oriente,
Para que lado fica o nascente, ou o poente,
Nesta minha mente e cuja já dormente...
Numa confusão pelo que tanto me chamam,
Quer seja esquerdista, ora seguido de fascista,
Havendo algo e ao que nunca se questionaram,
Pois que ninguém me apontou de ilusionista!...
Pobres daqueles que assim se sentem,
Que mesmo a si próprios mentem,
Escondidos na ilusória protecção da bruma,
Sem que andem para trás, ou para a frente,
Comendo de quantas fantochas colheitas,
Porquanto de si não semeiam obra,
Sempre no labirinto do túnel e sem tochas,
Fugindo das marchas e dos pontapés,
Deixando os demais ao abandono!...
Talvez que seja um príncipe do meu vento,
Como as roseiras, sacudidas e largando pétalas,
Vindas do mais frondoso rebento
Esperando um elogio de trémulas falas...
Serei senhor das marés, amarrado ao leme,
Olhando o longínquo horizonte,
Com mãos de quem nunca treme,
Procurando firmes ancoradouros,
Descendo à terra, subindo ao monte
E num ode de meus louros!...
Descansando das lágrimas dos meus rios,
Embalado no canto de qual sereia,
Por correntes de calafrios
E acordando no chamar da dulcineia...
Numa explosão de palavras,
Das profundezas arrebatadas,
Por ti feitas de escravas
E que jamais mal soletradas!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

TERRAS DE VERDE PINHO...

Basta....jpg

TERRAS DE VERDE PINHO...

E seriam terras fantásticas!...
Ao Norte correndo esse rio
E por Oeste águas de mar,
A Sul praias de oiro quente
E nalgum Este de acautelar...
Castelos e mouros vencidos,
Com histórias de encantar,
Mas por caminhos de azar,
Obras de políticas sarcásticas,
Em que nem por nada confio
E por muito que mais tente...
Em aromas de verde pinho,
Paisagens nascidas no Minho
E estendidas por um Algarve,
Pelas mais oníricas planícies,
Extensas e melhor doiradas,
Altos e baixos, pelas serras,
Areias e moiras encantadas,
À existência de tanto alarve
E noutros quantos artífices,
Que nos chupam as guelras...
Seria um cantinho de sonho,
Se longe a tais sanguessugas
E outros quantos proxenetas,
Num qual destino medonho,
Uns sem pão, eles guarnecidos
E gozando com tais marretas,
Nas mais necessárias purgas!...
E assim choramos esta nação,
Dos já esquecidos marinheiros,
Invictos, egrégios antepassados,
De mundos e cujos os primeiros,
Enquanto agora conformados,
Uns no ódio, outros na oração
E cada qual com a maior razão...
Mas políticos num total perdão!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

 

PUTA QUE OS PARIU...

A opinião dos outros.jpg

PUTA QUE OS PARIU...

Nos dois últimos dias, fizeram-me comentários, em observação pessoal e que é melhor nem transcrever... Assim sendo, considero que enquanto existirem pessoas desta opinião neste país, percebe-se a razão pela qual nunca sairemos deste pântano de décadas e séculos, meros hipócritas e engraxadores, por interesses pessoais e partidários, destruidores de uma nação, na sua demagogia, mas dos quais alguém se serve... Lamento dizer e doa a quem doer, gostem, ou não, pessoas como Salazar, Mário Soares, Álvaro Cunhal, Freitas do Amaral, Sá Carneiro, Mário Tomé e outros da velha guarda, pessoas sabendo o que queriam e para onde iam, em doutrinas pessoais, nunca mais voltarão, pelo que estamos entregues a uma cambada de parasitas e oportunistas, chulos, servidos pelos lambe-botas habituais e já referidos. Quando lançarem farpas, referências infundamentadas, olhem-se ao espelho, esfreguem as mãos na cara com a merda que andam a destilar e atirem-se do andar mais alto deste, ainda, mas pobre, país, prestando um benefício à nação e comunidade envolvente... Sejam decentes, não subservientes, para que possam morrer em paz de consciência! Puta que os pariu a todos, que são um nojo da sociedade e dos portugueses, em particular de mim próprio... VIVA PORTUGAL E QUEM O DEFENDER SEM INTERESSES E DEMAGOGIAS PARTIDÁRIAS, OU PARTICULARES!! Chamem-me de fascista, comunista, cata-vento, que o ORGULHO será meu e pela vossa insignificância, pois que nunca terão capacidade para me lamber o cu!!! ... Peço desculpa aos restantes e merecedores!

( Manuel Nunes Francisco ©® )

( Imagem da net )

ESSES MONSTROS!...

Esses monstros!... II.jpg

ESSES MONSTROS!...

Por tais terras andaram monstros,
Movimentando-se em duas pernas,
Arquitectando secretos encontros
E fazendo-nos seres das cavernas!...

Comeram e esbanjaram, beberam,
Chupando as carnes até aos ossos
E, pra arranjarem espaço, cagaram,
Mesmo debaixo dos olhos nossos!...

Dançaram, cantaram e muito rindo,
Sem preocupação ao que deixaram
E por qual caminho ainda não findo...

Aprontaram as armas e bagagens,
Levando o quanto que saquearam
E para festins por outras margens!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

SÓ SEI QUE NADA SEI...

Só sei que nada sei....jpg

SÓ SEI QUE NADA SEI...

Naquilo que sei, só sei que nada sei e, àquilo que gostaria, nunca hei-de saber nada...
Àqueles que se dizem tudo saber, coitados, pois tais vivem no mundo da palhaçada,
Simplesmente uns inúteis, possuídos de ignorância, mas ditos senhores inteligentes,
Escondidos nalgum fraco ser, inchados e que nunca passando de singelos arrogantes!

É tamanho, tal mundo de hipócritas, rastejantes indivíduos, na pele de subservientes,
Engraxadores de botas, cuspindo na calçada que vão pisando e olhando os adjacentes,
De lado e considerando-se superiores, esquecendo todo o percurso da merda pisada,
Mas tudo esquecido, cuja mente tão fraca nada mais deixa alcançar, como se pedrada!

Mas são mestres de tudo, em tudo e de todos, esquecendo que são mestres do nada
E que a vida lhes é esquecida, numa total sonolência que não os leva a lado nenhum,
Em que tudo lhes falta, na essência das coisas e vontades, perdidos como só mais um...

Apontam o dedo e mão, à cara de quem não conhecem, bebendo a água não chegada,
Criticam, atacam, dão lições de filosofia e outras matérias que nunca tal entenderam,
Tantas divindades imaculadas, às mais emproadas vestes, mas que outros costuraram!

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

TALHADO NO ARVOREDO

O Gajo III.jpg

TALHADO NO ARVOREDO

Nasci no meio do arvoredo,
Circundado de algum rochedo,
Na clareira de uma floresta,
Sendo isso que a cédula atesta,
Talhado por certo cinzel,
Colorido a pincel,
Havendo ao fundo um ribeiro,
Que corria o dia inteiro...
Nasci como se cascata,
Nalguma decisão tão ingrata,
No meio de águas turvas,
Por entre certas curvas
E ao meio de dois troncos,
Não sabendo se fortes, ou fracos...
Fundido no calor do Sol,
Amadurecido nalgum rol,
Temperado pela neve
E a quem a têmpera tudo deve,
Por serra um quanto bravia,
De dia lindo ao que via,
À noite metendo medo,
Onde era tudo um penedo
E de lá me lancei ao caminho,
Direito à escola e sozinho...
Percorri pó, estradas muito além,
Sem pedir ajuda a ninguém...
Hoje, tempos passados, sou eu,
No que procurei e a vida me deu...
Quando partir e assim chegará o dia,
Rirei, a quem de mim tanto se ria!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

POVO, POVO, POR ONDE ANDAIS...

Povo, povo, por onde andais... II.jpg

POVO, POVO, POR ONDE ANDAIS...

Povo, povo, por que caminhos andais
E com esses olhos tão tapados,
Em becos de lama, afogados num pântano
E uns quantos empertigados,
Como pavio que não dá chama?!...
Porque andais tão acorrentados,
Montes de ossos emoldurados,
Senhores de um nariz que não é vosso,
Mas cheirando o rabo ao sistema,
Aos Partidos que vos exploram,
Vos manipulam, nesse já pouco ser,
O cérebro, – se é que ainda existe! –,
Nessa pobre cabeça demente,
Que adormece e se levanta inconsciente!?...
Quando será o tempo de saírem da lama,
Num passo em frente, rasgar o padre-nosso,
Escrever um outro tema e lema,
Cuspir quem tão falso vos adoram
E cujos milagres vos vêm oferecer,
Nalguma mentira que tão persiste!?...
Persigam tal matilha de chacais,
Soprem-nos em batalha de cano...
Povo, povo, acordem e não só de madrugada,
Que a sela é vossa e numa luta desmesurada!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

PORTUGUESES DE PRIMEIRA E SEGUNDA...

Rubro Nacional .jpg

PORTUGUESES DE PRIMEIRA E SEGUNDA...

É surreal, provocador, nojento, demagogo, como um (des)Governo, – digo "governo" e não questionando doutrinas de um PS, ou suposto PR e dos portugueses! –, descerem tão baixo e num dito por não dito, assim como uns determinados "calças-abaixo" e apoiando tamanha demagogia, que até a um passado recente defendiam um total confinamento, para bem e defesa da população em geral e da pátria, agora vêm defender, como por milagre, a entrada escancarada e livre de quarentena, de uns quantos restantes, dividindo os portugueses em classes de primeira e segunda, só porque se avizinha, no horizonte, uma caravana carregada de dividendos e que tanto jeito lhes dá... Povo, povo, por onde andais e com os olhos tão tapados, em becos de lama, afogados num pântano e quantos empertigados, num pavio que não dá chama?!

Manuel Nunes Francisco ©®

PORTUGUÊS DE SEGUNDA

Zé-povinho II.jpg

PORTUGUÊS DE SEGUNDA

Sou um bardamerda, desprezado
E num certo rectângulo confinado,
Prisioneiro ao espaço que me dão
E sem que tenha direitos, ou razão!...

Tenho uma mala de cartão a jeito,
Vou emigrar e volto de papo feito,
Cheio, ou não, de notas desejadas,
Ao sabor do abraço e ordens dadas!

O que mais traga, isso não importa,
Vou andar por aí e de porta a porta,
Que o vírus ficou além da fronteira...

Porra, que isto é gozar com o povo!
Como é lindo e não é nada de novo,
Ser de segunda e outros de primeira!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

MUNDO DO PECADO

 

Adão e Eva III.jpg

Mundo do pecado.jpg

MUNDO DO PECADO

O mundo foi seara de esperança,
Por entre intempéries do tempo
E sonho de uma inocente criança,
Na protecção de um deus Olimpo...

Numa tamanha irreal construção
E pilares em argamassa de barro,
Tanto mais avança, mais a ilusão
E gente não passando de escarro!

Terá sido fruto dum mero pecado
E horrível traição de Caim a Abel,
Ao que terá muito mal começado...

E pouco havendo para remendar,
Por pedra reles no melhor cinzel,
Que portanto nunca se irá mudar!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D