Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

francisfotopoesiaeimagem

francisfotopoesiaeimagem

MÁQUINA HUMANA

Máquina ferrugenta II.jpg


MÁQUINA HUMANA

Somos a máquina perfeita,
Pena que desafinada,
Com a oficina à espreita,
A que não ousa dar entrada...

Barulhenta, quanto basta,
Até à hora da sucata,
Egoísta, de sua casta
E naquilo que anda à cata...

Torneando peças à medida,
Em rotações de grave erro
E pelos tempos corroída...

E já no seu pior semblante,
Em peças de algum aterro,
Será ferrugem, mas arrogante!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

 

AQUELE MEU CIRCO

Aquele meu circo.png

AQUELE MEU CIRCO

Quantas as vezes que me sento,
Por qual e onde chamo de circo,
Ficando a olhar, nalgum invento
E se preocupado vou, triste fico...

Invento palavras e duma solidão,
Não tanto minha, mas de outros,
Pois a minha sei eu, mas à razão
De quanto vejo, só vendo loucos!...

Revolve-me as entranhas, o siso
E ficando refém de tal impreciso,
Tanto a visão se mostra de irreal...

Trocam-se mentiras, nuas e cruas,
Chocam-se telemóveis pelas ruas,
Misturam-se sorrisos e tudo é real!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

SEI QUE NÃO PARTES

José Mário Branco.jpg

SEI QUE NÃO PARTES

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades
E fazendo a vontade ao tempo em que partes,
Porém à certeza de quantas serão as saudades,
De sentir à volta toda a revolta e as tuas artes...

Esse teu testemunho ser-nos-á sempre franco,
As tuas cantigas falarão mais alto e tempo fora,
Mesmo que nos deixando, José Mário Branco,
Neste partir, ao que nem assim chegou a hora.

A tua persistência e luta, toda essa convulsão,
Ditou bem o tempo e uma sociedade sem pão,
Nas tuas palavras, ditas nas cordas da guitarra...

Mas eis que ao tempo fizeste toda a vontade,
Sem algo que tenha mudado à triste verdade...
Assim se calaram as asas de mais uma cigarra!

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

 

 

AI, QUANTOS MEUS AIS!...

Ai, quantos meus ais!... II.png

AI, QUANTOS MEUS AIS!...

Ai, este mundo, esta horrenda pocilga,
Em que chapinhamos!...
Ai, esta miséria, em que nos encontramos!...
Ai, este universo, em que nos dispersamos
E rastejamos,
Sem o mínimo dos remorsos,
Uns comendo a carne e outros roendo os ossos!...
Ai, esta triste verdade e haja quem o inverso diga,
Sem peso na consciência!...
Ai, talvez esta minha falta de paciência,
Esta minha não ausência
A quanta podridão e na minha resistência!...
Esta minha persistência, esta minha luta,
Contra quantos filhos da puta!...
Ai, todo este meu vómito,
Quando te vejo a passar,
Reles, mostrando riquezas, mas incógnito
No porquê e que não ousas demonstrar!...
Ai, quantos meus ais
E por tua culpa, miserável de merda,
Que não te afogas, ancorado a esse cais,
Mas afogado em massa lerda!...
Ai, triste figura de gente,
Que nem comida, ou água, mereces,
Parasita da riqueza de quem mais rico
E a esses sim, a minha devoção dedico,
Quem na pele tanto sente
Aquilo que nunca lhe ofereces!...
A retribuição do seu trabalho,
Meu filho da puta do caralho!...
Ai, quanto gostava de te acariciar o pescoço,
De carregar, com as misérias dos outros, esse teu dorso
E fazendo-te o mais perfeito esboço...
Da quanta besta que és... e na tua postura de corso!...
Ai, quanto eu gostava!...
Espremer-te... fazer contas, quanto eu adorava!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

MINHA DESPENSA

Consciência III.jpg

MINHA DESPENSA

Não compro embalagem, mas produto,
Procuro verdades e pelo mais concreto,
Não me interessa a árvore, mas o fruto,
Razões duras e de quem me for directo.
Não colho frutos que derivem a ilusões,
Todo o restante e algo me passa ao lado,
Nada quero saber, que genuínas razões,
Sendo um carteiro e que deixa o recado;
Só lê quem quer, depois de abrir a carta
E o lixo fica mesmo ali, pela estrumeira,
Quantas vezes na interrogação de farta,
Depósito de qual mensagem verdadeira.
Compro e levo para casa, a meu arrumo
Tudo merecendo um lugar na prateleira
E quando não gosto sacudo, isso assumo,
Pelo estar farto de tanta variada asneira...
E escrevo novas listas de frescas compras,
Para que nada falte, por tal humilde vida,
Estando obeso às tantas diversas broncas,
Que minha comida passou a ser definida;
Por minha despensa só passa do melhor,
Venha quem vier e ao que tentar vender,
Em promoções de lágrimas, ou outra dor
E convincentes rótulos e de bom parecer...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

A MINHA ÉGUA

Escapadelas.jpg

A MINHA ÉGUA

Ah, esta égua persistente,
Cores de prata, meu ouro,
De tom escuro, reluzente,
Com macia sela de couro!...

Disparando como um raio,
Dando urros animalescos,
Sempre que toma o freio,
Correndo ruelas e cabeços...

Uma égua malcomportada,
Por dona de muitos cavalos
E gostando de ser montada,
Por seus cavaleiros vassalos...

Gostando mais do alcatrão
E muito menos das bermas,
Sempre plena de tal tesão
E das mais loucas soberbas...

E que ainda hoje a montei,
Nem sabem quanto gemia,
Num silêncio quando parei
E por cantos que não se via.

Senhora de si, quanto basta,
À espera da melhor receita
E oriunda da melhor casta,
Pura raça e de tão perfeita...

E deixando de boca aberta,
Quantos a vêem ao passar,
Numa inveja quanto certa...
E sempre comigo a montar!

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

PROMESSAS E INTENÇÕES

Promessas.png

PROMESSAS E INTENÇÕES

Com o Céu cheio de promessas
E o Inferno de intenções,
Anda este mundo às avessas
E num apregoar de razões...

Concreta realidade esta
E sem quaisquer soluções,
Num universo de tanta besta
E apontando os canhões...

Chorando lágrimas de crocodilo,
Iludindo descuidados tolos,
Em anunciadas farturas de silo...

Só que as searas já não dão trigo
E os infantes chorarão nos colos
Daqueles surdos a quanto digo!...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

 

OLHANDO ESTE ESPELHO

Olhando este espelho.jpg

OLHANDO ESTE ESPELHO

Olho-me, neste espelho cristalino,
Vejo algumas rugas, cabelo grisalho,
Olhos cansados, mas ainda com vida,
Num corpo e ainda um tanto erecto...
Espreito pela janela do meu tempo,
Ao longe, pelo decorrer da paisagem
E sonho, seguindo o andar das nuvens,
Mesmo não sabendo onde me levam...
Passo uma mão pela face, de suave
E a outra pelo meu reflexo ondulado,
Mirado pela frente, por trás, de lado,
Pesquisando o rosto, um quanto fino,
Por entre a roupa de algum agasalho,
Que tapa a imagem à minha medida
E que pelo mundo está de passagem...
Mundo esse, que nos molda farrapo
E que, na falta de outro, nos é tecto,
Por esta, ou quantas outras viagens,
Num acelerado voo, como se de ave.
Volto ao espelho, mas feito de água,
Elevo o queixo e pesquiso a garganta,
Olhando o correr do rio, que se afasta,
Deixando-me este espelho e vida sua,
O embalo de como tais águas dançam...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

AMAR...

Amar....jpgAMAR...

Amar, é estar preso, na maior liberdade,
É olhar o céu, as nuvens, o mar, a paisagem e sonhar,
É partir pelas estradas, à procura da verdade,
Olhar o seu semelhante na miséria e ofertar...

Amar, é estar com todos e em tudo,
Olhar à sua volta e entender o mundo,
Fazer-se ouvir e sem nunca ser mudo,
Percorrer o túnel, sem que luz ao fundo...

Amar, é nunca receber, enquanto dar
E sem nada esperar em troca...
É saber viver, sem nunca perturbar.

Amar, é ver cores a preto e branco,
Viver o imaginário do perfeito e que nos toca,
Enquanto prisioneiro da virtude de ser franco...

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub