Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

francisfotopoesiaeimagem

francisfotopoesiaeimagem

DESABAFOS DE CONSCIÊNCIA

Consciência e desabafos I.jpg

DESABAFOS DE CONSCIÊNCIA

 

Ai, esta consciência erudita,
Esta necessidade de pensar,
Esta vontade de me sentar,
Sem antes elevar a tampa da sanita
E nesta vontade de desabafar,
Melhor dizendo... de descarregar!
Libertar-me dos fantasmas que tenho,
Rebuscados no dia-a-dia, que vejo
E que não consigo ignorar,
Contrário ao meu desejo,
Pelo meio de algum desdenho,
À minha forma de censurar...
De lutar, esgravatar em tanta merda,
Que já as unhas me são gastas,
No meio de tanta chafurda,
Por entre sociedades castas.
Ai, esta consciência maldita,
Voz da agonia e vontade de gritar,
Por quanta palavra não dita
E que não me quer abandonar!...

 

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

FEITIO DE GATO

Feitio de gato.png

FEITIO DE GATO

 

Sou, um tanto, como os gatos,
Agradecido e brincalhão,
Mostrando as garras de fora,
Sempre que haja razão.
Ora meigo, quer seja azedo,
Com alturas de partir pratos
E momentos de ir embora,
Pouco, ou nada, me mete medo
E sempre que chegar a hora...
Como é o caso de agora!
Contorno, passando por tudo,
Por portas e por postigos,
Um tanto ou quanto sortudo,
Nas alturas de piores perigos.
Sou macio, mas sem pelo,
Com uma pele de carapaça
E, sempre que haja atropelo,
Não me obriguem ao que faça...
Sou como os gatos, sei que sou,
Amigo de quem estende a mão,
Dou demais, a quem me dou
E sem olhar se me dão!
Como os gatos, lambo as feridas,
Escondido, sempre que tal
E esqueço-me de tantas vidas,
Entregando-me a esta normal...
Sou e simplesmente, um gato,
Procurando a independência,
Que do mundo estou eu farto
E sem qualquer paciência!
Sou gato e fera, se necessário,
Bicho do mato e isolado,
Entregando-me ao meu rosário,
Farejando por todo o lado...
E até já sei ronronar,
Fazer roscas, num agrado,
Aprendi o que é sonhar,
Em liberdade, por um prado!

 

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

Pág. 4/4

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub