Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

francisfotopoesiaeimagem

francisfotopoesiaeimagem

VIDAS DE PASSAGEM

Vire a página.jpg

VIDAS DE PASSAGEM

 

Por quanto árdua que seja,
Ou de ócio que tanto for,
Que seja algo que se veja,
Por tal humildade e amor...

 

Seja simples, ou de fama,
Seja arte moldada a fogo,
Que crepite, como chama,
Ardente, em quanto jogo.

 

Toda a vida é passageira,
Apanhada numa esquina,
Tombos de tal bebedeira...

 

Que acorda numa ressaca,
Quanto falsa, ou genuína
E cenas do Auto da Barca.

 

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

DOR DE CORNO

Dor de corno.jpg

DOR DE CORNO

 

Dói, cria tantas ansiedades,
Dor de cotovelo, de corno,
Não entender as verdades,
Em provas de tanto adorno...

 

Dói, todos sabemos quanto!...
Dói, sem uma forma de fugir
E agarrando-nos ao espanto,
Numa fórmula de nos iludir.

 

Dói, não aceitando a razão,
Mesmo que sabendo quão
Toda a verdade nos escapa...

 

Aceitando o que pensamos
E a nós próprios aldrabamos,
Enfiando-nos na nossa capa.

 

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

TRAMBALAZANAS

Trambalazana RET  II.jpg

TRAMBALAZANAS

 

Ah, povo trambalazanas,
Diz-se que vê e tão cego,
Sobreviventes ratazanas,
Navegando como prego!...

 

Tristeza de navegadores
E que já foram caravelas,
Agora aguentando dores,
De dentadas nas canelas...

 

Velas de pobres aragens,
Navegantes a barlavento,
Retidos às suas miragens...

 

Navios, proa ao rochedo,
Navegando a mau vento
E reféns de quanto medo.

 

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual

 

MARÉS VIVAS

Ondas que batem III.jpeg

MARÉS VIVAS

 

Chega a maré
E estende-se pela praia,
Não precisa de toalha,
Vai à frente
E marcha a ré,
Enrola-se em areia de cambraia,
Como papel de mortalha,
Saboreando todo o quente
E servindo-se das águas que bailam,
Carpetes de espuma que dançam,
Repetidas vezes, feitas perdidas,
Para a frente e para trás...
Ondas que rebentam, de prazer,
Sem mais saberem que fazer
E sem se darem por vencidas,
Mesmo quando marcha-atrás.
Chegam marés e que espantam,
Nessa sua dança de palco,
Que em malícia nos convidam
E observadas de qual socalco...
Vem, –vem!–, dança comigo,
Escuta-me, naquilo que digo,
Deixa mostrar o que consigo,
Vem fazer-te meu amigo,
Salta e dá-me os teus braços,
Seguindo uma dança que traces,
Recebe os meus beijos e abraços,
Por quanto carinho e enlaces!...
E por tamanha tentação,
Quantos se lançam a ela,
Entregando-lhe o coração
E quantos mais não regressam,
Cavalgando, a toda a sela,
Por ondas que os enlaçam...
E eis que a maré termina a dança,
Partindo, na melhor esperança!

 

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

ENCERRO OS OLHOS

Consciência I.jpg

ENCERRO OS OLHOS

 

Encerro os olhos e sigo na escuridão,
Tentando encontrar qualquer razão,
Que me abra portas a outro mundo,
Afastado deste e que tanto imundo...

 

Percorro ruelas, caminhos estreitos,
Pântanos, de tantos lagos desfeitos,
Ditas sólidas areias, mas movediças,
Como tais crentes, ou ditas noviças.

 

Dou mecha ao que resta numa luz,
Nesta escuridão e que nada produz,
Mas abençoada por quem nada vê...

 

Abro a visão e grito raios e coriscos,
Na forte vontade de quantos riscos,
Na merda e gente que nela se revê.

 

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

POLÍTICOS

Políticos.jpg

POLÍTICOS

 

Os políticos, são o que são
E nada mais do que valem,
A verdadeira assombração
E falsos, sempre que falem...

 

Aves raras, fora do ninho,
Egoístas, tal como o cuco,
Sem vergonha no focinho
E com o discurso caduco.

 

São tubarões de boa arte,
Bem vestidos no disfarce,
Comendo tudo ao alcance...

 

Levam tudo, pra seu farte,
À vergonha que lhes falta,
Protegidos na igual malta.

 

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

ESCRITA DE CAMÕES

Luís Vaz de Camões.jpg

ESCRITA DE CAMÕES

 

Que viva, Vaz de Camões,
Tanto o escritor da sua língua,
Quem não anda aos trambolhões,
Por qual escrita de míngua!...
Que se enterrem os acordos,
Tais cavadelas ortográficas,
Que os heróis se façam surdos,
A quantas sátiras gráficas!...
Que se glorifique o poeta, a escrita,
Que conhecimentos deu ao mundo
E que jamais seja restrita!...
E que tal gramática nos conduza,
Por quanto orgulho profundo
E nenhuma outra nos seduza!...

 

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

Acordo Ortográfico III.png

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub