Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

francisfotopoesiaeimagem

francisfotopoesiaeimagem

ASSIM SOU EU

Assim sou eu.jpg

ASSIM SOU EU

 

Eu sou nato num palheiro,
Limpo e arrumado à pressa,
Família de rasco dinheiro
E o resto pouco interessa.

 

Pode parecer uma mentira,
Mas acreditem no que digo,
Não é nada que me fira,
Ou que tal mereça castigo.

 

Passei a abençoado divino
E transeunte deste mundo,
Neste meu feitio quão fino...

 

É um dom que me persegue,
Neste meu ser, tão profundo,
Não havendo quem o negue!

 

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem privada ©® )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

COSTA DE MARES

Costa de mares II.jpg

Costa de mares I.jpg

COSTA DE MARES

 

Ah, como adorava ser gaivota,
Sobrevoar toda a costa e pipilar,
Contente, na mais extensa rota
E sem a menor poluição no mar!
Planar longas distancias de areal,
Simplesmente cobertas de areia,
Gente preocupada e num ideal,
De preservar, enquanto passeia.
Gostava de falar, ouvir os peixes
E enquanto nos restem soluções,
Num pedido para que não deixes,
Para trás, a razão das suas razões...
Sacos, garrafas, restos que ficam
E que não existiam até chegares,
Sendo que pouco te glorificam,
Nessa pegada, quando abalares.
Ah, como gaivota, adorava ver,
Num serpear, sobre areia clara,
Prova de quanto e tu dizes ser...
O ser civilizado e que não pára!

 

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

 

MENTES PERVERSAS

Mentes perversas.jpg

MENTES PERVERSAS

 

Não acredito em nada, nem em ninguém...
A família vale o que vale
E os amigos são o que são!
Não havendo regra sem excepção,
Todos nos tentam atropelar,
Sempre que surjam oportunidades
E sem nada a mais olhar,
Espreitando as suas vontades
E o que interessa é ir além.
Assim, não há ninguém que me cale,
Ou que me tente adormecer,
Nestes tão olhos abertos,
Por culpa de algum sofrer
E tentativas de espertos...
Acredito no que vejo,
Menos no que alguém falar,
Não valendo qualquer pejo,
Quando me tentem escoicear!
A mente humana é perversa,
Escondendo as verdades
E já não vou em conversa,
Nem tão-pouco em humildades,
A que só os ingénuos ficam pobres,
Guardando os ricos os cobres,
Que tanto nos marcham de lado,
Ao modo de zé-soldado...
O tempo ditará as razões,
De quantos, em ilusões,
Passam a vida adormecidos
E a pensamentos rendidos!...
Nada que o tempo não responda,
Dando qual resposta certa,
Como se, em mesa redonda,
O estômago que nos aperta.
Feliz, quem não tire a prova dos nove
E que razão não encontre,
Do contrário que o comove
E que à porta não lhe entre...
O ser humano é perverso
E provem-me o controverso!

 

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

FESTAS POPULARES

Festas populares.jpg

FESTAS POPULARES

 

Diz-me, meu Santo António,
Com a ajuda de São João,
Se nos resta património,
Neste país de tanto ladrão?...

 

São Pedro, dá-nos um salvador,
Que nos seja a resolução,
Que este povo morre na dor
E sem procurar a solução!...

 

Vivendo neste seu tédio,
Sofre ruas de amargura
E algo de muito sério...

 

Somos um povo conformado
E profetizando loucura,
Sem alma de um revoltado.

 

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

POR ESSAS ESTRADAS

Yamaha 1100 Virago 32 II.jpg

POR ESSAS ESTRADAS

 

Enrolo estradas de asfalto
E por entre túneis de pinheirais,
Com o vento que sopra bem alto
E cruzando-me com alguns pardais...
Sopros sacudindo a poeira,
Que agarrei por esse caminho
E a quem chamo de companheira,
Sempre que tanto ando sozinho.
Fala-me a brisa, ao ouvido
E para me manter mais desperto,
Para que siga no meu sentido
E sem destino de pouco certo...
Campos verdes, ou que outros vejo,
Em fuga e sempre a meu lado,
Que vão correndo a meu desejo,
Num ritmo quanto acelerado...
Encontramo-nos, lá no certo fim
E mesmo que não sabendo onde,
Sem um atraso, espera por mim
E, por tal, que nunca se esconde.
Enrola-se o Sol, com o vento,
Fazendo-se de acompanhantes
E ouvindo um qualquer lamento,
Por aventuras de viajantes.
Juntam-se luar e Universo,
Com a noite seguimos viagem,
Correndo, no sentido inverso
E por rotas de outra paisagem.
Chegado o momento de parar,
Vão-se sonhando outros destinos,
Ainda com o motor a vibrar
E em que tais planos de meninos...

 

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( francisfotoProfimagens ©® )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

CIDADE DE ENCONTROS

Cidade de encontros.jpg

CIDADE DE ENCONTROS

 

Cidade, que não te mostrei gratidão,
Que te ofereceste e não te procurei,
Te abandonei e sem qualquer razão,
Que mui me brindaste e nada te dei.

 

Cidade, despida, que me procuraste,
Que me saciaste nessas tuas artérias
E que por estes olhos tanto brilhaste,
Menina e moça, de loucas maneiras...

 

Que me recebeste de braços abertos,
Me deixaste penetrar tuas entranhas
E a que meus olhos foram despertos.

 

Cidade e que te deste a meu escalar,
Prisioneiro de deveras tuas manhas,
Por sete colinas, nesse teu encantar...

 

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub