Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

francisfotopoesiaeimagem

francisfotopoesiaeimagem

LIBERDADE...

José Saramago #2.jpg

LIBERDADE...

 

Liberdade, é a consciência de qualquer ser,
Viajante do universo, em luta neste mundo
E não de quem mais tenha e no que quiser,
A que uns estão no cimo e outros no fundo.
Liberdade, é viver os minutos de passagem
E esquecendo os que poderão nunca chegar,
Os que nos abordam e enquanto de viagem
E galopar do tempo, sem ordem para voltar.
Liberdade, é ser corcel em corrida ao vento,
Sem rédeas, ou sela, relinchando de prazer,
Usufruindo da estepe e fogoso ao momento,
Esquecendo tudo o que demais haja a fazer.
Liberdade, é escutar qual serenata da chuva,
Ver o nascer do Sol, ou as cores do sol-nado
Explodir ao mundo, como alcateia que uiva,
Estender-se na areia, sem olhar para o lado.
Liberdade, é o deslizar ao longo do asfalto,
Sem destino e sem horas, ou pelos montes,
Observando em seu redor, em tal encanto,
Agradecendo o quanto divino são as fontes.
Liberdade, é ser aquilo que nunca ousámos,
Libertando-nos das amarras e preconceitos,
Percebendo que a vida é o que merecemos,
Não o que nos ousam impor e por defeitos.
Liberdade, é a absolvição dos estereótipos
E julgamentos, quantas vezes por injúrias,
Azias das mesquinhices e a seus conceitos,
Na inveja que não bebamos suas lamúrias.
Liberdade, é existir no direito ao trabalho,
É não suarmos à preocupação com a fome,
Sentirmos, no corpo, o merecido agasalho
E na certeza onde cada um à noite dorme.
Liberdade, é sentir o valor da segurança,
Quando pisamos a rua por qualquer razão,
Nunca ficarmos presos na pior lembrança
Dum perverso político e distinto charlatão.
Liberdade, é usufruir o direito à educação,
No acreditar ao qual e a mim semelhante,
Na justiça, como qualquer demais cidadão
E independente de raça e seu semblante.
Liberdade, finda onde inicia a dos outros
E por muito que não interesse entender,
Pois que todos terão os mesmos direitos,
Mas, à arrogância, não querem perceber.
Liberdade, liberdade, a eterna liberdade!...
Incontestável, fogosa, sustento de razões,
Quantas as vezes saída da tranquilidade,
De algum repicar e tais nobres corações.

 

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

 

DIVAGANDO

Divagando.jpg

DIVAGANDO

 

Eis-me, para aqui sentado,
Olhando a relva, divagando,
Mirando ao alto e cismando,
De onde virá qualquer recado...
Sentado baixo, num estrado,
Já pouco me parece estranho,
Salvo o pensamento que entranho,
De quem, mais que eu, desgraçado...
Procura-me este animal, num roçar,
Em busca de qualquer carinho,
– Ou de algo para a barriga! –,
Pois que este não é seu ninho,
Nem horas de cumprimentar...
Desconfia de outro e de briga.
Sigo, no olhar, alguns pássaros,
Que já me reconhecem ao longe,
Descendo a visão dos telhados,
Neste lobo, feito monge...
Eis-me reflectindo na vida,
Do quanto que não pedi
E abre-se, cá dentro, uma ferida,
Por tanto que eu perdi...
Percorro as nuvens, que vão chegando,
Meio brancas, meio cinzentas,
Sinto as gotas que vão molhando,
Caindo suave e lentas,
Refrescando meus pensamentos,
Mergulhados nestes momentos...

 

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

ALGUMA PROMOÇÃO

A vida.jpg

ALGUMA PROMOÇÃO

 

Ah, como gostava de ser promovido!
... Deixar de ser um zé-ninguém,
Umas vezes com algum dinheiro,
Outras mais sem um vintém...
Mas será difícil, senão impossível,
Para quem é verdadeiro.
Nada tenho de arrependido,
Do percurso que desenhei,
Foi, para mim, o desejável,
Mesmo no que não alcancei...
E tu, terás feito semelhante,
Ou, simplesmente, um errante?
... Talvez seja essa a diferença,
De tão maquiavélica doença!
Felizmente, fui vacinado à nascença
E tal maleita não me alcança...

 

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

SIMPLESMENTE SARAMAGO...

José Saramago #5.jpg

SIMPLESMENTE SARAMAGO...

 

Um homem, talvez seco,
Como o pão que o viu nascer,
Na deliciosa manteiga
Que o viu partir...
Em tanto valor intrínseco
E momentos de sorrir,
Como poderá alguém morrer
E o mundo ficar-te cego?...
Inveja, – isso sim! –, à tua obra,
Essa tão terrível maleita,
Alimento de tamanha seita
E presunção de ego,
Em cenas de carpideira.
Nessa alcunha de nome,
Símbolo de quanta fome,
Do teu tempo foste fartura
E orgulho que nos aconchega,
Por caminhos que percorreste
E louros que mereceste,
Por tempos de quanta dura...

 

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

ÁGUA QUE SOMOS

Água que somos.jpg

ÁGUA QUE SOMOS

 

Água, divino nascer das fontes,
Que te lanças do alto dos céus,
Caindo na terra e te soltas,
Por campos e vales, que não só meus,
Lavando as pedras, os montes,
Te aguentas às piores afrontas,
Limpas os rios, enches os mares,
Sem te negares aos olhares
E me acaricias o rosto,
Ou me acalmas o corpo,
Me irrigas as fracas veias,
Que tanto lavas qualquer trapo,
Como lágrimas de qual desgosto...
E sujas-te, limpando tudo e todos,
Enquanto ficas doente, aos poucos...
Acaricias as nossas feridas,
Dás alento a sementeiras,
Baptizas a seiva das videiras,
Sacias, pelo mundo, plantas e animais,
Banhas os pássaros de jardins e quintais
E apagas o pó dos campos,
Afogando outros, em prantos.
És banho, nos dias quentes de verão,
Alimentas sonhos e desilusão,
Por viagens de alto-mar,
Ou faina de quem pescar...
És sossego da minha sede,
Relaxo de meus pés dormentes,
Processo que a aduela vede,
Água benta de quantos crentes.
És o mais concreto da vida,
No chegar e na partida,
Mas tão cruel maltratada...
És tudo, no meio do nada!
Água, que és meu corpo, nestes ossos,
Na minha carne, feita gente,
Neste mundo de poluentes
E em águas dos meus olhos,
Tornados, por ti, em nascentes,
Salvar-te, é mais que urgente!...

 

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

MUNDO DE PARASITAS

José Saramago.jpg

MUNDO DE PARASITAS

 

Escancarem-se as portas deste mundo,
Neste frio e que nos gela as entranhas...
Deus dos crentes, como posso ficar mudo,
Se não nos salvaguardas a tantas manhas?...
Teus filhos, – se ainda o são! –, estão loucos,
Perdidos, pelo quanto fazem,
Por rotas do egoísmo e tanto moucos,
Espelhados de virtual imagem.
Justificam-se os fins e ninguém se conhece,
Pelos meios em que nada importa,
Salva-se quem puder, não quem merece
E ficando de fora, no bater da porta,
Homem, mulher, criança, ou velho,
Preto, branco, vermelho, amarelo,
Tenha mansão, ou viva sem telho,
Não interessando ser, mas parecendo sê-lo...
Ai, estas malditas correntes de ar,
Que e demais, já nos sufocam
E que, por este maldito andar,
Balançam a corda, com a qual nos enforcam...
Proxenetas, políticos, astuciosos parasitas,
Prostitutas e exploradores de prémios,
Estendendo armadilhas, em caças malditas
E declarados membros dos mesmos grémios...
Advogados, juízes, armados de bem,
Fazem-se em fila e de garras afiadas,
Desmembrando tudo e quem algo tem,
Espalhando sangue nas suas dentadas...
Cerrem-se as portas aos ventos que sopram
E deixem que sigam a sua onda, de mansinho,
Mas não se temam, ou se calem, ao que falam,
Por mais que gerido e tenebroso, tal caminho.

 

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )
Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub